• IF

  • Activities

    navigation

Conferência 7 e 8 | Ciclo de Conferências Filosofia, Política e Tecnologia

From: 2018-05-15 To:2018-05-15

Go back
  • Thematic Line


    Modern & Contemporary Philosophy
  • Research Group


    Philosophy & Public Space
  • Ciclo de Conferências

    Filosofia, Política e Tecnologia​

    2017-2018

    15 de maio 2018
    Sala do Departamento de Filosofia (Torre B – Piso 1)
    Faculdade de Letras da Universidade do Porto

     

    7ª conferência | 16h30

    Progresso Exponencial², Singularidade Tecnológica², Superinteligência 
    Filipe Luig (Faculdade de Ciências da Universidade do Porto)

     

    8ª conferência | 18h30

    Melhoramento cognitivo: tecnologias, implicações éticas e sociais, e consequências para o futuro da humanidade​ 
    João Bettencourt Relvas (Instituto de Investigação e Inovação em Saúde – i3S)


    Progresso Exponencial², Singularidade Tecnológica², Superinteligência 

    Resumo: O progresso exponencial sustentado em novas tecnologias como a nanotecnologia e a inteligência artificial evolui no sentido de uma eventual singularidade tecnológica, a qual implicará inexoravelmente a criação/desenvolvimento de uma superinteligência. Nesta conferência serão apresentados exemplos paradigmáticos que indicam que estamos nesse rumo. Apresentar-se-ão vários conceitos convergentes (e.g. biomimética, self-assemblybottom-up, Lei de Moore, etc.) que mostram a probabilidade da ocorrência do evento que se tem denominado Singularidade Tecnológica. Esta designação, dada por Vernor Vinge ainda nos anos 90, tem sido popularizada por especialistas em Inteligência Artificial como Raymond Kurzweil na última década. Será também dado um particular enfoque à nanotecnologia molecular, a qual, recorrendo a técnicas de ATM (atomic precise manufacturing), tem vindo a revolucionar de forma transversal, todas as áreas do conhecimento. Mostrando que ela tem sido um dos principais motores de transformação da humanidade, advogaremos que o expoente máximo deste processo deverá ter lugar nas próximas décadas.

    Nota biográfica: Filipe Luig é licenciado em biologia pela Faculdade Ciências de Lisboa (92-97) pós-graduado em microbiologia médica e especializou-se em virologia na Universidade de Colónia (Alemanha) entre 97 e 99. Tem trabalhado desde então em genética molecular com enfoque no transplante de órgãos no IPST (Instituto Português do Sangue e da Transplantação) onde se mantém. Após um mestrado conjunto entre a Faculdade Engenharia da UCP e o IST em nanotecnologias e engenharias da saúde, onde trabalhou no desenvolvimento de biochips nanosensores no INESC-Microsostemas e Nanotecnologias sob orientação do Prof. João Pedro Conde (IST), frequentou também um doutoramento em nanociências e nanotecnologias na FCT onde trabalhou no desenvolvimento de LOCs (lab-on-a-chip devices) sob orientação da Prof. Elvira Fortunato. Foi professor adjunto na ESTeSL entre 2008 e 2015, onde leccionou a cadeira de Diagnóstico Laboratorial Avançado (aplicações da nano na bio) do 3º ano da licenciatura em Análises Clínicas e Saúde Pública. Atualmente está desenvolver uma tese de doutoramento (na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto) à volta do impacto na sociedade e no Homem de tecnologias emergentes como a nanotecnologia aliada à inteligência artificial e da dialética entre evolução biológica e progresso tecnológico. Tem publicações na Vox Sanguinea, na Springer Verlag,  na Tecnologias da Saúde, Ensino e Investigação entre outras. É autor de ficção científica e fundador da inLET (infinite Life Extension Technologies), uma start-up em nanotecnologias e biologia molecular que visa a gestão e conservação pessoal e individual de DNA.

     


    Melhoramento cognitivo: tecnologias, implicações éticas e sociais, e consequências para o futuro da humanidade​ 

    Resumo: A cognição resulta de processos mentais que o cérebro utiliza para organizar e estruturar  a informação.  Inclui não só os processos  responsáveis pela percepção, atenção, compreensão e retenção da memória, mas também os processos conducentes à construção  do raciocínio. 

    Alguns desses processos estão profundamente alterados em doentes do foro neurológico e psiquiátrico e intervenções terapêuticas direcionadas a aumentar a capacidade cognitiva desses doentes  são comuns na prática clínica. No entanto, o desenho e síntese de novos psicofármacos, o desenvolvimento de aparelhos de estimulação electromagnética, de implantes cerebrais e até de técnicas de manipulação genética prometem   maior especificidade e capacidade de controlar   os diferentes processos  envolvidos na cognição.

    Embora não sendo um conceito novo ou uma prática recente – na verdade  o melhoramento cognitivo é praticado há milhares de anos através da educação, literacia, meditação e do consumo generalizado do chá e café que contêm cafeína e que aumentam os níveis de atenção –  o enorme potencial das novas tecnologias para melhorar significativamente as capacidades cognitivas da população saudável  tem estimulado a imaginação e o interesse  de muitos sectores da sociedade, e relançou o debate sobre os limites técnicos, éticos, sociais e até sobre as consequências que a disseminação dessas tecnologias acarreta para o futuro da humanidade.

    Nesta conferência, abordar-se-ão estes debates, incluindo o potencial benéfico mas também os riscos destas práticas para o futuro da humanidade e das nossas sociedades.

     

    Nota Biográfica: João Bettencourt Relvas desenvolveu a sua investigação de doutoramento em genética molecular em Londres e Lisboa (1992-1997), e o seu pós-doutoramento na Universidade de Cambridge (1997-2002). Em 2002 estabeleceu o seu grupo de pesquisa no Instituto Federal de Tecnologia em Zurique, no qual trabalhou até 2008. Em 2009 voltou para Portugal, integrando o IBMC da Universidade do Porto, que é agora parte do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S). Atualmente é líder do grupo de biologia das células da glia no i3S, coordenando igualmente o programa integrado de Neurobiologia e Desordens Neurológicos, e é diretor campus do Porto do novo Discoveries Centre for Regenerative and Precision Medicine. Foi membro, e Vice-Presidente do Conselho Científico para as Ciências da Vida e da Saúde da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) (2013-2016) e é atualmente membro do Conselho Científico da Fundação Bial (Porto). Publicou em diversas revistas de prestígio na área da neurociência molecular e celular, tais como Development, JCB, Current Biology, Journal of Neuroscience, Brain, Science, entre outros.  Orientou ou co-orientou mais de 10 teses de doutoramento, 8 pós-docs, e mais de 20 teses de mestrado. Tem tido diversas participações em eventos de carácter multidisciplinar em torno do tema interdisciplinaridade e ciência.

     

    Imagem: Fotografia de Isabel Marques

    Ciclo de Conferências Filosofia, Política e Tecnologia 2017-2018http://ifilosofia.up.pt/activities/ciclo-de-conferencias-filosofia-politica-e-tecnologia 

    Organização:
    Research Group Philosophy and Public Space
    Instituto de Filosofia da Universidade do Porto - FIL/00502

    Go back