Mind, Language and Action Group (MLAG)

 


Group Reference: RG-PHIL-Norte-Porto-502-879
Time Interval: 2003-2010; 2011-
Location of Group (Host Institution): Instituto de Filosofia / Faculdade de Letras da Universidade do Porto


Principal Investigator: Prof.ª Doutora Sofia Miguens

 

O MLAG E OS QUATRO GRUPOS:

(1) MENTE E LINGUAGEM, (2) ACÇÃO AGÊNCIA E RACIONALIDADE, (3) LÓGICA E FILOSOFIA e (4) FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA: HISTÓRIA E SISTEMAS DE PENSAMENTO  

 

O MLAG (Mind, Language and Action Group) foi fundado em 2005 pela Prof. Sofia Miguens, no contexto da criação do Centro de Ciência Cognitiva da Universidade do Porto, marcando a participação da Filosofia nas áreas da mente, linguagem e acção. Por trás estava o trabalho em filosofia analítica levado a cabo desde 1997 no Gabinete de Filosofia Moderna e Contemporânea dirigido pela Prof. Maria José Cantista, que tinha já conduzido a publicações e organizações várias.

No núcleo do MLAG  está, assim, a investigação sobre a natureza da mente, da linguagem e da acção. Essa investigação decorre tendo como dupla referência a ciência cognitiva e a história da filosofia do século xx, nas suas várias tradições e genealogias. O MLAG herdou nomeadamente, do programa director do Gabinete de Filosofia Moderna e Contemporânea estabelecido em 1997, a intenção de levar a cabo investigação em paralelo em filosofia analítica e em fenomenologia, em áreas como a metafísica / ontologia e a ética. 

 

A partir de 2008 o MLAG organizou-se em quatro domínios estruturantes, que congregam e organizam os projectos de investigação internos e externos, as publicações dos membros, e as dissertações de mestrado e doutoramento em curso. Os domínios são: Mente e Linguagem (ML), coordenado por Sofia Miguens, Acção, Agência e Racionalidade, coordenado por Carlos Mauro, Lógica e Filosofia, coordenado por João Alberto Pinto e Filosofia Contemporânea: história e sistemas de pensamento, coordenado por Paulo Tunhas.

As duas pessoas responsáveis pela agenda de investigação global do MLAG são Sofia Miguens (Universidade of Porto) e Charles Travis (King's College - London). Esta agenda global de investigação, que procura posicionar aquilo que se faz no Porto, em Filosofia, num contexto internacional da investigação é uma preocupação central do MLAG, reflectida no trabalho conjunto das cinco pessoas referidas (Charles Travis, Sofia Miguens, João Alberto Pinto, Carlos Mauro, Paulo Tunhas).   (No fundo desta página encontra-se uma visão global do grupo, traduzida em indicadores).

 

 

AS QUATRO ÁREAS

 

Sofia Miguens, Carlos Mauro, João Alberto Pinto e Paulo Tunhas são os responsáveis científicos pela agenda de investigação das áreas Mente e Linguagem, Acção, Agência e Racionalidade, Lógica e Filosofia e Filosofia Contemporânea: história e sistemas de pensamento. Deixamos aqui um breve perfil de cada um.

 

 

Mente e Linguagem: Sofia Miguens

 

Sofia Douro


Docente na Faculdade de Letras da Universidade do Porto desde 1996, é actualmente Professora Associada com Agregação e Directora do Gabinete de Filosofia Moderna e Contemporânea do Instituto de Filosofia. Tem ensinado sobretudo epistemologia (filosofia do conhecimento), filosofia da linguagem e filosofia da mente ao nível de Licenciatura (1º Ciclo), Mestrado (2º Ciclo) e Doutoramento (3º Ciclo) mas também filosofia moral e história da filosofia contemporânea. Tem ainda colaborado no curso de doutoramento da Universidade de Santiago de Compostela (USC) desde 2005, nas áreas da filosofia da mente e da epistemologia. É membro fundador da Sociedade Portuguesa de Filosofia Analítica. Foi Presidente da Sociedade Portuguesa de Filosofia (2004-2006). Foi visiting scholar na Universidade de Nova Iorque no Semestre de Outono de 2000 e visiting research fellow no Institut Jean Nicod - Paris em 2007-2008. É autora de cinco livros e coordenadora de outros cinco. Tem várias dezenas de artigos publicados em Portugal e no estrangeiro.

Percurso: Tese de Mestrado e Tese de Doutoramento orientadas por Fernando Gil (École des Hautes Études en Sciences Sociales - Paris e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa). O tema unificador do seu percurso é a natureza do mental, cobrindo desde questões cognitivas sub-pessoais (vertente iniciada com o trabalho de mestrado, dedicado à linguística chomskyana) até questões relativas à consciência, qualia, tipos de apercebimento e tipos de mentes, natureza do eu e da identidade pessoal, relações pensar-sentir, relações mente-linguagem, relações conceptual-não conceptual.

Quer na tese de mestrado (As Ciências Cognitivas e a Naturalização do Simbólico, Lisboa, FCSH/UNL, 1995) quer na tese de doutoramento (Uma Teoria Fisicalista do Conteúdo e da Consciência - D. Dennett e os debates da filosofia da mente, Porto, 2002 ), trabalhou questões do domínio da filosofia analítica e da ciência cognitiva em articulação com autores não analíticos, especificamente Kant e Husserl. Na tese de mestrado, dedicada à concepção do mental subjacente a teorias linguísticas concorrentes, Husserl foi a referência para a explicitação da teoria do mental subjacente à linguística cognitiva, em contraponto com J. Fodor, a referência para a explicitação dos pressupostos da teoria da mente de N. Chomsky. Na tese de doutoramento a ideia kantiana de uma ligação entre auto-consciência e consciência de objectos foi utilizada para propôr uma interpretação da Teoria dos Sistemas Intencionais de D. Dennett, principal objecto de análise no trabalho, e para avançar uma proposta geral anti-representacionista em filosofia da ciência cognitiva (uma versão resumida encontra-se no artigo "D. Dennett’s brand of anti-representationalism – a key to philosophical issues in cognitive science", G. Preyer (ed.), Concepts, Compositionality, Representations – New Problems in Cognitive Science, Protosociology 22, 2006). Desde o início do seu percurso tem dedicado uma especial atenção à história da filosofia contemporânea com particular incidência na herança de Quine e de Wittgenstein na filosofia da mente, da linguagem e do pensamento. Mais recentemente trabalhou sobre autores pós-quineanos e pós-wittgensteinianos tais como D. Dennett, D. Davidson e J. McDowell em torno de temas como a racionalidade, a subjectividade, a intersubjectividade e a objectividade (cf. Racionalidade (Porto, Campo das Letras, 2004) e Será que a minha mente está dentro da minha cabeça?- Da ciência cognitiva à filosofia (ensaios) (Porto, Campo das Letras, 2008)). O seu trabalho actual sobre questões de filosofia da percepção e da linguagem resulta de uma convergência entre o percurso em filosofia da mente, continuado pela filosofia da linguagem, e o interesse pela história da filosofia contemporânea nas suas duas grandes tradições, analítica e fenomenológica (cf. por exemplo "Trois perspectives sur la discriminabilité apparence-realité dans l'expérience consciente" Rue Descartes 68, Paris, PUF,  2010, pp. 18-30). É ainda autora de um manual de filosofia da linguagem (Filosofia da Linguagem – uma introdução, Porto, CAP-FLUP, 2007).

 

Acção, Agência e Racionalidade: Carlos Mauro

 

Carlos Mauro tem uma licenciatura em Economia e um mestrado em Gestão Pública e Governo. Foi professor universitário em São Paulo (FAAP) durante 5 anos, tendo orientado muitos trabalhos de estudantes. O seu interesse pelas questões da racionalidade (e irracionalidade) conduziu-o da economia à filosofia. Como investigador passou pelo Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial e pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo trabalhando sobre Economia e Educação, no primeiro caso, e sobre Gestão Pública no segundo. O seu trabalho de doutoramento é dedicado à explicitação dos fundamentos filosóficos da teoria da decisão racional, teoria omnipresente nos modelos económicos, e plena de pressupostos filosóficos, nomeadamente no que respeita à teoria da acção. No seu interesse pela Filosofia e pela Economia foi influenciado por figuras como por exemplo Amartya Sen, Jon Elster e John Broome, entre outros. Ele representa a vocação económica-política das investigações do MLAG, investigações concebidas como partindo da filosofia da acção e da filosofia moral de orientação analítica.
Está actualmente à frente do maior projecto do MLAG na área da filosofia da acção, o projecto Conversations on Human Action and Practical Rationality, financiado parcialmente pela FLAD (Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento), que nos pôs em relação com universidades e nomes como John Broome (Oxford), Michael Smith (Princeton), Alfred Mele (Florida), Daniel Hausman (Wisconsin-Madison) ou Joshua Knobe (Yale), entre outros, e do qual resultarão várias publicações em Portugal e no estrangeiro.
No Brasil (FAAP) ensinou Metodologia Científica, Sociologia, Introdução às Ciências Sociais, História do Pensamento Económico e Introdução à Filosofia. Na FLUP leccionará em 2009 acções de formação nas áreas da Filosofia da Acção e Filosofia da Economia. É membro fundador da Sociedade Portuguesa de Filosofia Analítica.
As áreas nas quais estará envolvido nos próximos cinco anos são a filosofia da acção (agência, acção e racionalidade), a filosofia da economia (aplicações da teoria da acção em modelos de política de governo) e a filosofia experimental (área liderada por Joshua Knobe e Steven Stich). É o autor do blogue X-Phi (Filosofia Experimental).

 

Lógica e Filosofia: João Alberto Pinto

 

Joaopara o blog


João Alberto Pinto é professor de Lógica na FLUP. O seu ensino (desde 1998) e o seu trabalho são essenciais à definição do perfil teórico do MLAG, uma vez que a Lógica é a disciplina de entrada em investigações filosóficas de orientação analítica. Os diversos programas dos seus cursos de Lógica estiveram online, assim como os programas de epistemologia, filosofia da linguagem e filosofia da mente de Sofia Miguens, exactamente como exemplo do background básico exigível aos colaboradores do MLAG. Os seus interesses não se limitam no entanto ao ensino introdutório da Lógica. Na sua tese de mestrado (Superveniênica, Materialismo e Experiência, 1999) trabalhou em filosofia da mente e em aspectos dessa área temática que mais directamente se relacionam com alguns tópicos da metafísica contemporânea (de base lógica) e da filosofia da ciência (de orientação cognitivista). O resultado deste trabalho encontra-se actualmente publicado em livro: Superveniência, Materialismo e Experiência - Uma Perspectiva Sobre o Problema da Consciência em Filosofia da Mente (Porto, Campo das Letras, 2007). A partir desse momento, os seus interesses centraram-se quase totalmente no âmbito da Lógica. Neste contexto, concluiu os seus estudos de doutoramento – sob supervisão de João Branquinho – com uma dissertação sobre história e filosofia da lógica: George Boole e as origens da lógica moderna. Embora ainda não publicada, esta investigação envolveu alguns dos aspectos mais interessantes, mas também mais problemáticos, da perspectiva dominante na lógica moderna, em particular daquela que remonta mais directamente a G. Frege e que foi assumida pela filosofia analítica que nele encontrou a sua inspiração básica. O contraste entre essa perspectiva e uma outra forma de encarar a lógica que estava presente no trabalho de G. Boole tem sido objecto do seu interesse e publicações (cf. o artigo “Boole e Frege: matematização da lógica vs. logificação” ). O trabalho que desenvolveu em conjunto com a Biblioteca da FLUP permitiu a aquisição de referências bibliográficas fundamentais na área da Lógica. Foram adquiridas cerca de duzentas e cinquenta obras essenciais para compreender a constituição e os avanços que a Lógica sofreu ao longo do século XX. Assim, os colaboradores do MLAG, podem hoje contar com um acesso facilitado a todo este material (cf. “Lógica: uma bibliografia geral (FLUP, 1999)”, publicado em 2001).
É membro da actual direcção (2006-2008; Fernando Ferreira, Presidente) da Sociedade Portuguesa de Filosofia Analítica (SPFA). É membro do Gabinete de Filosofia Moderna e Contemporânea (GFMC) da FLUP desde 1997, onde acumulou experiência na planificação e organização institucional de projectos de investigação. Além da Lógica tem leccionado na FLUP na área da História e Filosofia da Ciência (nomeadamente da história e filosofia da Lógica), na área da História da Filosofia Moderna do século XVIII, Filosofia da Linguagem e Filosofia da Mente (2º ciclo).

Filosofia contemporânea – história e sistemas de pensamento: Paulo Tunhas

 

paulo pequeno

Paulo Tunhas estudou Filosofia no Porto, em Cambridge e em Paris.

Tese de doutoramento, apresentada na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, sob a direcção de Fernando Gil, intitulada Abîmes, passages, limites. Système et pré-système chez Kant (uma tradução portuguesa está em curso). Os seus trabalhos, a partir daí, incidiram sobretudo sobre o modo como as filosofias operam, por diversas maneiras, processos de sistematização cognitiva. Além de vários estudos sobre Kant (“Kant. Le paysage du système”, Cahiers philosophiques, nº 94, Delagrave, Paris, 2003, 9-39; “Intention, bonheur, dissimulation”, in Michèle Cohen-Halimi, edta., La rationalité pratique, PUF, Paris, 2003, 173-232, entre outros), levou a cabo tentativas de compreender a ideia de sistema a partir dos Estóicos (“Sistema e Mundo. Kant e os Estóicos”, in Leonel Ribeiro dos Santos, org., Kant 2004: posterioridade e actualidade, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007, págs. 129-149), de Hume (“Existência, intuição, presença. A tripartição dos actos de crença no Tratado da natureza humana”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. 46, 1-4, Porto, 2006, 11-30), de Fichte (“Quando pensar é agir: teoria dos actos de pensamento”, in F. Gil e V. Lopez-Dominguez, edts., Actas do colóquio Fichte: crença, imaginação e temporalidade, Campo das Letras, Porto, 2002, 109-145), de Freud (“Realidade, prazer, conflito. Freud e o problema da representação”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. 48, 2008, 9-59), e de Wittgenstein (“Entre o enigma e a banalidade. Wittgenstein e a questão: «O que é pensar?»”, Análise, nº 24, Campo das Letras, Porto, 2003, 43-94). Publicou igualmente estudos sobre outros autores, como, por exemplo, Montaigne (“Admiração, caça, ambiguidade. Semelhanças e dissemelhanças em Montaigne”, Cadernos de filosofia, nº 16, Lisboa, 2005, 119-160), Karl-Otto Apel (“Karl-Otto Apel: la philosophie à partir de la limite”, Antropológicas, nº 5, 2001, Porto, 161-206) e Fernando Gil, sobre o qual escreveu, além de vários artigos, um livro (O essencial sobre Fernando Gil, IN/CM, Lisboa, 2007).

Em articulação com a ideia de sistema, desenvolve ainda uma investigação sobre a questão “o que é pensar?”, da qual resultaram vários estudos, entre os quais: “Três maneiras de pensar - I”, Análise, nº 21, Porto, 2000, 113-184; “Três tipos de crença”, in Fernando Gil, Pierre Livet e João Pina Cabral, organizadores, O processo da crença, Gradiva, Lisboa, 2004, 119-134; “Akribeia, maneiras de pensar e objectos de pensamento. O exemplo da descoberta”, in Adelino Cardoso e José M. Justo, org., Sujeito e passividade, Colibri, Lisboa, 2003, 21-60.

Foi Professor Auxiliar na Universidade Fernando Pessoa, Porto, de 1997 a 2008, e Pesquisador Visitante no Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (IUPERJ), de Abril a Agosto de 2006. É Professor Auxiliar Convidado na Faculdade de Letras da Universidade do Porto desde o segundo semestre do ano lectivo de 2007/2008, onde ensina Filosofia Moderna e Filosofia Contemporânea. É igualmente membro do MLAG desde a criação formal do grupo. Aí se ocupa da história da filosofia moderna e contemporânea.

 

   


Endorsements

«MLAG is an innovative research group within academic philosophy in Portugal. Its members work in areas of philosophy related to cognitive science, areas in which philosophical work can be of great interest to people outside philosophy, such as philosophy of mind, philosophy of language and philosophy of action. I am very happy to have helped start their work, sharing with people from the University of Porto the way we do things in Rutgers - judging by the results, it proved to be more than Inspiring.»
«O MLAG é um grupo de investigação inovador no seio da filosofia académica em Portugal. Os membros do grupo trabalham em áreas da filosofia relacionadas com a ciência cognitiva, áreas nas quais o trabalho filosófico pode ser de grande interesse para pessoas fora da filosofia, tais como a filosofia da mente, a filosofia da linguagem e a filosofia da acção. Sinto-me muito feliz por ter ajudado o grupo a começar, partilhando com as pessoas da Universidade do Porto a forma como fazemos as coisas em Rutgers - avaliando pelos resultados, a partilha foi mais do que inspiradora.»
Ernest Lepore
Professor, Rutgers University, Philosophy Department

Director, Rutgers Center for Cognitive Science

 

Indicators and figures


1. Characterization:
Fourfold organization: 4 groups: (1) Mind and Language; (2) Logic and Philosophy; (3) Action Agency and Rationality; (4) Contemporary Philosophy: history and systems of thought, each with ongoing projects, activities and publications. People responsible for each group: Miguens (1), Pinto (2), Mauro (3), Tunhas (4). General coordination: Miguens and Travis.

People:

10 integrated PhD (S. Miguens, C. Travis, J. A. Pinto, P. Tunhas, C. Mauro, L. Augusto, M. Ricardi, L. Couto Soares, E. Rego, A. Pedro)

12 PhD collaborators (including consultants of externally funded current projects: Q. Cassam, J. Benoist, T. Crane, J. Knobe)

3 Post-docs (with FCT grants) (Mauro, Augusto, Ricardi)

11 PhD students with FCT grants (current: M. Amen, S. Cadilha, R. Vieira da Cunha, M. Teles, J. Machado Vaz, C. Morando, P. B. Araújo, V. Guerreiro) (C. Mauro: completed in 2008, J. P. Maçorano: not completed, P. Martos: not yet completed). Other PhD: V. Ferreira ('co-tutela' with München), J. P. Santos, M. M. Magalhães. Total: 14.

1 BTI researcher currently being recruited (Project BJ, FCT grant)

4 BII scholarships (completed) (J.M. Oliveira, P. Cardona, J. F. Silva, J. P. Santos)

Visiting researchers 2011: T. Vaaja (Finland), F. Nero (Brasil).

(Total of scholarships and grants from FCT: 19) Others grants/fellowships/scholarships for past and current visiting researchers: CAPES and CNPQ (Brazil), Academy of Finland.

Projects:
Externally funded projects:

Rationality, Belief, Desire II (FCT, 23000 euro, last year of project: 2008; Final classification: A)

The Bounds of Judgement - Frege, cognitive agents and Human Thinkers (FCT, 80000 euro, 2009)

Conversations on Practical Rationality - interviews with moral and political philosophers and philosophers of economics (FLAD, Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, 28000 euro, last year: 2011)

Judgements of moral wrongdoing (Bial Foundation, 41000 euro, 2011)

To See or Not to See: hallucinations in a multidisciplinary perspective   (Bial Foundation, PI: Mattia Riccardi)

 


Other current internal projects: Logics and Philosophy, Consciousness and Subjectivity (collaboration with Goethe Universität - Frankfurt), Philosophy of Mind – an Anthology (translation project - collaboration with UFRJ - Brazil); Contemporary Philosophy – history and systems of thought; Philosophy and Law on Personal Identity.

Publication policy:
4 philosophy collections: Nous (Campo das Letras) (end: 2009), Episteme (Colibri) (start: 2010), MLAG Discussion Papers (FL-UP), Filosofia Contemporânea: História e Sistemas de pensamento (FL-UP)

Submitted articles of members to national and international journals.


2. Objectives:


MLAG’s main aim is to keep a research agenda which directly reflects its fourfold organization in the areas Mind and Language; Logic and Philosophy; Action Agency and Rationality; Contemporary Philosophy: history and systems of thought. This organization embodies our long-term research guidelines. Project applications and all kinds of fundraising should follow from this research agenda, as well as all activities. Regular meetings of the PI (Miguens) with all people involved in the definition of such agenda (Travis, Pinto, Tunhas, Mauro) take place regularly (at least once every two months). MLAG’s long-term publication plans – namely the coordination of Philosophy collections with Portuguese publishers, as well as the proposal of results of the group’s work to international publishers – also take place within the framework referred above. MLAG’s web presence (websites, blogs, etc) also follows from the fourfold organization. All new projects and all national and international collaborations with research groups and ongoing projects should be reflected in websites and blogs, clearly described, and thus easily available to the public.

3. Activities
Highlights:


Regular activities: C-MLAG (International Annual Conference, 2008, 2009, 2010); MLAG Research Seminar (bimonthly);Seminar Series: Mind and Language Series, Law and Philosophy Series, Philosophy and Public Policies Series; MLAG Graduate Conference; Porto X-Phi Lab Workshops; Experiments in the context of AAR projects “The folk metaphysics of free action and moral responsibility” and “The folk concepts of weakness and strength of will”. Logics teacher-training courses.

Activities related to Projects RBDII, Conversations on Practical Rationality; Consciousness and Subjectivity; Philosophy of Logics; Phenomenology Author By Author (in collaboration with Group of Phenomenology); The Bounds of Judgement and To See or Not to See: hallucinations in a multidisciplinary perspective.


Ongoing research projects in all four groups: The Bounds of Judgement – Frege, cognitive agents and human thinkers (PTDC/FIL-FIL/109882/20009); Consciousness and Subjectivity; Logics and Philosophy; Contemporary Philosophy – history and systems of thought; To See or Not to See: hallucinations in a multidisciplinary perspective   (PI: Mattia Riccardi).


Forthcoming books and books in preparation: Pinto (ed) Investigações em Filosofia da Lógica (in press);  Miguens, Pinto, Amen & Dias, Filosofia da Mente – uma antologia (submitted);  In preparation: Mauro & Knobe eds, Filosofia Experimental – uma antologia; Mauro ed., Philosophy and Public Policy; Vieira da Cunha ed., Law and Philosophy on Personal Identity; Travis, Miguens eds, The Logical Alien At 20 (Harvard University Press); Pinto, Lógica – um manual.

See: http://ifilosofia.up.pt/gfmc/mlag/?p=activities

 



Página actualizada a 19-09-2014 @ 11:33

 Imprimir 
cabecalho_logo

Título
X