Senha: Ok
http://193.137.34.200/meirinhos/accessus/tomas_de_aquino
© 2024 José Meirinhos
Página actualizada a 08-05-2022
Página impressa a 28-02-2024

Tomás de Aquino

 

Tomás, filho dos condes Aquino no reino de Nápoles, nasceu em Roccasecca em 1215 e faleceu em Fossanova em 1274. Em 1244 entrou na ordem dos frades pregadores, ordem mendicante fundada por S. Domingos, daí oseus mebros, coo Tomás serem cnhecidos como Dominicanos. Fez estudos de Filosofia e de teologia sucessivamente em Nápoles, Paris e Colónia. Tornou-se uma dos mais reputados e apreciados mestres de Teologia da Universidade de Paris, mas ensinou também em diversos outros Estudos Superiores da sua ordem religiosa. Escreveu uma ampla obra, sobretudo em Teologia, mas também comentários filosóficos (a obras de Boécio, Dionísio e Aristóteles). As inovações teóricas colocaram a sua obra sb suspeitas durante algumas décadas após a sua morte, com críticas ásperas e adversários insistentes. A partir do século XVI a sua  Suma de Teologia tornar-se-ia o texto base de ensino da Teologia nas universidades latinas, marcando definitivamente quer a discussão filosófica quer a teologia católica.

Existem múltiplas edições latinas das obras de Tomás. Contudo, os especialistas ainda discutem o estabelecimento do texto mais fiel ao original de cada uma delas. O Papa Leão XII lançou o projecto de uma edição crítica das obras completas de Tomás que está em publicação desde 1882, a qual é conhecida como Edição Leonina e que ao longo do tempo se tornou um modelo científico de edições críticas de textos medievais de ampla difusão. Até 2010 foram publicados 30 tomos (dos 50 previstos), entre os quais alguns mereceram segunda edição, estabelecida de novo. O mesmo deveria acontecer para o estabelecimento da edição crítica da Suma de Teologia; embora não definitivo, o texto da edição leonina é o que se encontra na generalidade das edições actuais da Suma de Teologia e que serve de base às mais recentes traduções.

 

I. Tomás de Aquino e o seu tempo

 

Data

Tomás 

Acontecimentos

1224/5

Tomás, filho dos nobres de Aquino, nasce em Roccasecca (perto de Nápoles)

Federico II funda a niversidade de Nápoles.

1230/39

Oblato no mosteiro beneditino de Monte-Cassino.

(1129) greves na Uiversidade de Paris.

1239-1244

Estudos em Nápoles. Em 1244 toma o hábito negro dos frades dominicanos.

João de Rochela e Alexandre de Halles ensinam em Paris

1244-1245

Detenção forçada pela sua família em Roccasecca.

Concílio de Lião depõe e exco-munica o imperador Federico II.

1245

É autorizado pela família a reingressar nos dominicanos.

 

1245-1248

Estudos em Paris (com Alberto Magno).

Roberto Grossatesta traduz do grego a Ética a Nicómaco.

1248-1252

Estudante e assistente de Alberto Magno em Colónia: Comentário de «Isaías».

(1250) Boaventura ensina as Sentenças de Pedro Lomb.

1252-1256

Primeiro ensino em Paris como "bacharel de Sentenças":

Escrito (Comentário) sobre as sentenças; Sobre o ente e a essência; 

Sobre os princípios da natureza.

Afonso X, o sábio, rei de Castela.

1256

(primavera) Tomás recebe o grau de "Mestre em Teologia".

 

1256-1259

Mestre-regente em Paris. Escreve: Questões disputadas sobre a verdade e Quodlibetos VII-XI; Comentário sobre o «Acerca da Trindade» de Boécio; Contra os impugnadores do culto e religião de Deus.

Novos estatutos para a Faculdade de Artes de Paris e novo plano de estudos.

1257

(agosto) Tomás e Boaventura de Bagnorea são admitidos no consortium magistrorum.

Boaventura escreve Breviloquium e De reductione artium.

1259

Regresso a Itália.

 

1261-1265

Leitor conventual em Orvieto. Escreve: Suma contra os Gentios (fim); Comentário de «Job»; Cadeia áurea («Mateus»); Contra os erros dos gregos; etc.

 (1262) Papa Urbani VI proíbe ensino do aristotelismo em Paris, sem consequências.

1265-1268

Mestre-regente em Roma. Escreve: Suma de Teologia, Iª parte; Cadeia áurea («Marcos, Lucas, João»); Questão sobre a potência; Sentenças (Comentário) sobre o «Acerca da alma» de Aristóteles; Compêndio de Teologia.

(1267) Boavenura publica as Collationes de decem praeceptis.

1268-1272

Segunda regência em Paris. Escreve: Suma de Teologia, IIª parte (em duas partes); Comentário de «Mateus»; Comentário de «João»; Questões sobre o mal; Sobre a unidade do intelecto; Sobre a eternidade do mundo; Comentários de Aristóteles; Quodlibetos I-VI e XII; etc.

(1270) bispo de Paris afixa condenação de 13 teses filosóficas, ao que se segue uma crise na Faculdade de Artes.

1272-1273 (dez.)

Mestre-regente em Nápoles. Escreve: Suma de Teologia, IIIª parte qq. 1-90 (imcompleta, será completada pelo secretário); (?) Comentário das «Epístolas aos Romanos»; (?) Comentário sobre os «Salmos 1-154».

(1272) Boavenura publica as Collationes in Hexaemeron.

Egídio Romano bacharel bíblico.

1274

(7 março) Morte em Fossanova (a sul de Roma) em viagem para o concílio de Lyon.

Novos estatutos da Faculdade de Medicina.

1332

(18 julho) Canonização em Avignon, pelo papa João XXII

 

1567

(15 abril) Tomás proclamado "Doutor da Igreja": Doutor angélico

 

1879

Leão XIII, pela bula Aeterni patris recomenda o estudo de Tomás, entre outros.

 

 

II. Obras

Uma detalhada sistematização das obras de Tomás, acompanhada por informações individualizadas sobre composição e cronologia, com referências a edições, traduções e estudos críticos encontra-se em:

Emery, Giles, «Bref catalogue des oeuvres de Thomas d’Aquin», in J.-P. Torrel, Initiation à Thomas d’Aquin, Ed. du Cerf, Paris 1993 (pp. 483-525). 

 

II. 1 Elenco de Obras de Tomás de Aquino

Incluem-se apenas os títulos mais importantes. Fonte: Weisheipl, pp. 393-434; G. Emery em Torrel, pp. 483-525.

 

Sínteses teológicas

Escrito sobre os livros das «Sentenças» de Pedro Lombardo: 4 livros (Paris, 1252-1256) 

Suma contra os Gentios  I cap. 1-53 (até 1259), II-IV (Paris, Nápoles, Orvieto, 1259-1264) 

Suma de Teologia: 3 partes: Iª parte (Roma, 1265-1268), IIª parte, em duas partes (Paris, 1271-1272), IIIª parte (qq. 1-90: Paris-Nápoles, até 06.12.1273; o final foi concluído pelos discípulos, com base em notas ou textos anteriores)

 

Questões disputadas

Sobre a verdade 29 questões em 253 artigos (Paris, 1256-1259) 

Sobre a potência: 10 questões (Roma, 1265-1266)

Sobre o mal: 16 questões (Roma 1266-167)

Sobre as criaturas espirituais: 11 artigos (Itália, 1267-1268)

Sobre a alma: 21 artigos (Paris, fevereiro-abril de 1269)

Sobre as virtudes em geral: 13 artigos; Sobre a caridade: 13 a.; Sobre a correcção fraterna: 2 a.; Sobre a esperança: 4 a.; Sobre as virtudes cardiais: 4 a. (Paris 1269-1272) 

Sobre a união do verbo incarnado: 15 artigos (Paris, início de 1272)

Quodlibetais: 12 questões Paris, natal de Páscoa de 1256-1259 e 1269-1272)

 

Comentários de livros da Escritura

Exposição literal  de «Isaías» (Colónia1249-1252)

Exposição literal  de «Job» (Orvieto, 1261-1264)

Postilha sobre os «Salmos» (Nápoles, 1272-1273)

Sobre o «Cântico dos Cânticos»: (¿Fossanova, 1273?) Texto perdido/nunca encontrado

Postilha sobre «Jeremias», incompleto (¿Colónia?)

Postilha sobre os «Trenos [Lamentações de Jeremmias]» (¿Colónia?)

Glossa contínua sobre os Evangelhos ou Catena aurea (Orvieto, Roma, 1262-1263, 1267)

 

Comentários a obras de Aristóteles 

Sentença sobre o «Acerca da alma»: 3 livros (Itália, 1267-1269) 

Sentença sobre o «Acerca da sensação e do sensoriado» (¿Itália, 1267-1269?)

Sentença sobre o «Acerca da memória e da reminiscência» (¿Itália, 1267-1269?)

Sentença sobre a «Física» (Paris, 1268-1269)

Sentença sobre a «Metafísica»: 12 livros (Paris - Nápoles, 1269-1272)

Sentença sobre os livros das «Políticas»: inacabado (Itália, 1269-1272)

Exposição sobre o «Acreca da interpretação», incompleto (Paris, 1270-1271) 

Exposição sobre os «Analíticos posteriores»: 2 livros (Paris-Nápoles, 1269-1272) 

Sentença sobre os livros das «Éticas [a Nicómaco]»: 10 livros (Paris, 1271)

Sentença sobre «O céu e o mundo»,incabado (Nápoles, 1272-1273) 

Sentença sobre os livros «Acerca da geração e da corrupção»: inacabado (Nápoles, 1272-1273) 

Sentença sobre os «Meteoros»: inacabado (Paris ou Nápoles, 1269-1273) 

 

Outros comentários 

Exposição sobre o «Acerca da Trindade» de Boécio: inacabado (Paris, 1252-1259) 

Exposição sobre o «Acerca das hebdómadas» de Boécio: inacabado (Paris, 1256-1259)

Exposição sobre o «Acerca dos nomes divinos» de Dionísio (Roma, 121265-1267)

Exposição sobre o «Livro das causas» (Paris, 1271-1272) 

 

Escritos de polémica 

Contra os impugnadores culto e religião de Deus (Paris, 1256)

Contra a doutrina dos que defendem a não entrada na vida religiosa (Paris, verão de 1271)

Sobre a unidade do intelecto (Paris, 1270)

Sobre a eternidade do mundo (Paris, primavera de 1271) 

 

Tratados

Sobre o ente e a essência (Paris, 1252-1256) 

Compêndio de Teologia, I-III, inacabado: falta o final de II e o IIIº (Paris ou Nápoles, 1269-1273)

Sobre as substâncias separadas ou Sobre os anjos (Paris ou Nápoles, 1271-1273)

Sobre o reino ou Sobre o regime dos príncipes: concluído por um secretário (Roma 1265-1267) 

Cartas e pareceres: diversas dezenas (Roccasecca 1264 - segg.)

Orações e Sermões (conferências): diversas dezenas (Orvieto 1264 - segg.)

Diversos escritos inautênticos: várias dezenas, muitos deles de autores ainda desconhecidos.

 

III. Bibliografia

 

1. Obras

1.0. Manuscritos

Dois manuscritos autógrafos de Tomás de Aquino:

—  Vaticano, BAV, Vat. lat. 9850 : excertos da Summa contra gentiles (excertos dos livros 1 and 2, e parte do livro 3), Scriptum super Boethii de Trinitate e Super Isaiam; códice muito mutilado por lhe terem sido retirados fólios para reliquías, onde se lê no f. 3v pela mão deo Reginaldo Piperno, secretário de Tomás de Aquino: «Ligentur omnes sicut stant in ista charta et procuretur si posset inveniri aliquis qui sciret legere istam licteram, quia est de lictera fratris T.[home]». --> Breve artigo de Roberto Busa sobre a escrita de Tomás (littera inintelligibilis), com a leitura, edição de tradução do f. 50ra deste códice: aqui. O melhor estudo sobre a escrita de Tomás de Aquino encontra-se na introdução de P.-M. Gils do comentário a Dionísio pseudo Areopagira (ed. Leonina, vol. 50: «S. Thomas écrivain», pp. 175-209)

— Vaticano, BAV,  Vat. lat. 9851 (parte substancial do Scriptum super III librum sententiarum).

 

1.1. Edições de referências das obras de Tomás de Aquino

Divi Thomae Aquinatis Opuscula Philosophica, cura et studio, P. Fr. Raymundi M. Spiazzi OP, Taurini-Romae, 1954.

Sancti Thomae de Aquino Opera Omnia, Ed. Marietti, Torino-Roma

Sancti Thomae de Aquino Opera Omnia, iussu Leonis XIII P.M. edita, Roma 1882- segg. (em curso de publicação).

Thomae Aquinatis Opera Omnia cum hypertextibus in CD-ROM auctore Roberto Busa S.J., editio altera, Editoria Elettronica Editel – Frommann-Holzboog, Milano – Stuttgart 1996. Agora disponível on-line em

 

1.1.1. Edições da Suma de Teologia

Sancti Thomae de Aquino, Summa Theologiae, [em 1 vol.] Ed. Paulinae, Torino 1988 (2ª ed.).

San Tomás de Aquino, Summa Theologiae [só texto latino, em 5 vol.] (Biblioteca de autores cristianos, série Maior, 31, 35, 36,..., antes publicada na série Menor: 77, 80, 81, 83, 87) la Editorial Católica, Madrid 1955-seg...

San Tomás de Aquino, Summa Theologiae [texto bilingue, em 17 vol.] (Biblioteca de autores cristianos) La Editorial Católica, Madrid.

 

1.2. Edições e traduções em português

Apesar da profunda influência exercida por Tomás de Aquino sobre o pensamento português, apenas quatro obras, todas de curta dimensão, se encontram traduzida em português europeu a partir do latim: 

De ente et essentia. Quatro traduções: O ser e a essência, por A.S. Pinheiro, Braga 1984; O ente e a essência, trad. por M.S. de Carvalho, Ed. Contraponto, Porto 1995 (nova ed. com texto latino defronte, ed. Afrontamento, Porto 2013); O ente e a essência, trad. por H.P. Rema, Porto 2001 (cfr. Principia naturae); O ente e a essência, trad. M. J. Figueiredo, Ed. Piaget, Lisboa 2000.

A eternidade do mundo, (edição bilingue) trad. J.M. Costa Macedo, in Mediaevalia. Textos e estudos vol. 9 (1996).

A unidade do intelecto contra os averroístas (edição bilingue), trad. M.S. de Carvalho, ed. 70, Lisboa 1999.

Principia naturae. Duas traduções: Princípios da natureza, trad. R.D. Borges de Meneses, Porto ed., Porto 2001; Os princípios da realidade naturas. O ente e a essência, trad. H.P. Rema, Elementos Sudoeste, Porto 2003.

 Credo, exposição do símbolo dos Apóstolos, pref. E trad. A. Morão, Ed. Assírio & Alvim, Lisboa 2010.

Um excerto sobre o conhecimento, do Comentário aos Analíticos posteriores (II, lição 20, nº 591-598) encontra-se em: Rüppel, E., A captação da realidade..., pp. 149-151.

A partir do francês foram traduzidas as partes da Suma de Teologia relativas à ciência jurídica:

— qq. 57-79 da IIª IIae sob o título Tratado da justiça, trad. F. Couto, Rés Ed., Porto s.d.;

— qq. 90-108 da Iª IIae sob o título Tratado da lei, trad. F. Couto, Rés ed., Porto s.d.

O panorama é bem diferente quanto ao português do Brasil, onde foram traduzidas diversas obras de Tomás de Aquino, com preferência para os textos teológicos ou os textos de curta dimensão:

 

1.3. Na internet

Bibliografia das traduções de Tomás de Aquino em Inglês

 

Outras obras

 

2. Estudos

 

A obra mais completa e atualizada sobre as obras e o pensamento de Tomás é:

As duas mais completas e minuciosas biografias intelectuais de Tomás são as obras de:

Para além das obras de J.-P Torrell e P. Porro, como introdução à leitura da obra de Tomás continua a ser indispensável:

O volume de G.K. Chesterton, S. Tomás de Aquino, trad.A.L. Dória, Livraria Cruz, Braga 1947 (2ª ed.), contém uma biografia datada, mas com modelar fluência literária.

 

2.2. Instrumentos de pesquisa sobre o pensamento de Tomás

Bibliografias

A bibliografia sobre Tomás é inumerável. Desde 1924 existe um boletim anual que é dedicado a assinalar todos os estudos publicados sobre Tomás e a sua influência:

Rassegna di letteratura tomistica, Napoli, 1969-segg. (nos anos 1924-1968 com o título Bulletin thomiste, Le Saulchoir).

Ver também:

Bourke, V.J., Thomistic Bibliography 1920-40, St. Louis University Press, St. Louis 1945.

Ingardia, R., Thomas Aquinas. International Bibliography 1977-1990, The Philosophy Documentation Center, Bowling Green, Ohio 1993.

Medioevo latino. Bolletino bibliografico della cultura europea da Boezio a Erasmo (secoli VI-XV), [em cada volume anual na secção Autori, verbete “Thomas de Aquino”, apresenta as edições e estudos sobre Tomás, de longe o mais estudado dos autores medievais (cf. vol. 26, 2005, pp. 544-572)].

Mieth, T.L. – Bourke, V.J., Thomistic Bibliography 1948-1978, Greenwood Press, Westport 1980.

Rassegna di letteratura tomistica, Napoli, 1 (1969) – 27 (1994). (nos anos 1924-1968 com o título Bulletin thomiste, Le Saulchoir).

 

Léxicos. Concordâncias. Dicionários

Index Thomisticus. Sancti Thomae Aquinatis Operum Omnium Indices et concordantiae, cura R. Busa, 49 vol., Frommann-Holzboog, Stuttgart 1974-1980.

Mondin, B., Dizionario enciclopedico del pensiero di San Tommaso d’Aquino (col. "In unum”) Ed. Studio domenicano, Bologna 1991.

Schütz, L., Thomas-Lexikon, Ferdinand Schöning Verl., Münster 1885 (reprint Frommann Holzboog, Stuttgart 1958).

 

3. Estudos Gerais

Estudos de conjunto sobre o pensamento de Tomás são oferecidos pelas obras:

Na Logos, enciclopédia luso-brasileira de filosofia encontra-se um artigo geral sobre Tomás. Também as histórias da filosofia incluem, habitualmente, estudos monográficos ou capítulos sobre Tomás de Aquino.

Ver também as introduções dos volumes, citados acima, com traduções de obras de Tomás em português.

 

3.1. Estudos particulares sobre o homem, alma, o conhecimento e a vontade:

A ciência Teológica em Tomás:

— Problemas de edição e a teologia filosófica de Tomás



3.2. Na internet

Páginas gerais

Aquinate, estudos e links, página de Paulo Faitanin, com materiais em português: --> http://www.aquinate.net

Thomistic Philosophy Page: para introduzir ao pensamento de Tomás e dos seus seguidores. Com links a outros sítios: --> http://members.aol.com/jmageema/index.html

Estudos

Kennedy, D.J. St. Thomas Aquinas and Medieval Philosophy, New York 1919 (obra com algum interesse histórico, mas muito datada):         
--> http://www.nd.edu/Departments/Maritain/etext/staamp0.htm

Kennedy, D. J. «Thomas Aquinas», in Catholic Encyclopedia: --> http://www.knight.org/advent/cathen/14663b.htm

Parodi, M. Seminário de Storia della filosofia medievale on-line (1995/96) sobre De ente et essentia: --> http://imiucca.csi.unimi.it/~mparodi/home.htm

McInerny, Ralph (importante tomista contemporâneo). Esta página contém acesso ao texto on-line da sua obra Ethica Thomistica, cujo capítulo 4 é «The Structure of the Human Act», --> http://www.nd.edu/~rmcinern/index.html

 

 



 

A Suma de Teologia

A Suma de Teologia, como se lê no muito breve prólogo, «procura ensinar as verdades da religião cristã, de modo conveniente à instrução dos principiantes desta ciência» e «expor, breve e lucidamente, o que respeita à doutrina sagrada» (S.T. I, prólogo). Esta «sagrada doutrina tudo trata em razão de Deus, por tratar ou do mesmo Deus ou do que a Deus se refere como princípio e fim» (S.T. I, q.1 a.7, sol.). É no início da segunda questão que Tomás enuncia os temas das três partes da obra: «em primeiro trataremos de Deus [parte I], em segundo do movimento da criatura racional para Deus [parte II] e em terceiro de Cristo enquanto homem, que é a via pela qual tendemos para Deus»  (I, q. 2, prol.). Este esquema segue o ritmo circular da processão-regresso (exitus-reditus) que sublinha a intenção sistemática e totalizadora da Suma.

À explícita identificação do conteúdo da Suma de Teologia e das suas subdivisões corresponde um plano de desenvolvimento também pleno de sentido.

 

Plano da Suma de Teologia

A obra é constituída por três partes (sendo que a segunda parte é ela mesma dividadida em 2 partes).

Neste esquema retiveram-se apenas as divisões mais importantes. Um esquema mais pormenorizado do "Tratado do Homem" (S.T. I, qq. 75-102) encontra-se no final.


Iª Parte

- q. 1: Conteúdo e possibilidade da ciência Sagrada [um discurso do método]

- qq. 2-119: Deus

       - qq. 2-26: o Deus único (a essência de Deus)

                - q. 2: a existência de Deus

                - qq. 3-13: como ele é, ou antes, como ele não é

                - qq. 14-26: o que diz respeito à actividade de Deus

       - qq. 27-43: a Trindade divina: a distinção das pessoas de Deus

                - qq. 27-28: a processão das pessoas divinas e as as relações divinas

                - qq. 29-43: as pessoas divinas

       - qq. 44-119: Deus criador: modo como as criaturas procedem de Deus

                - qq. 44-46: a produção das criaturas

                - qq. 47-102: a distinção das criaturas

                        - qq. 50-64: o Anjo (a substância espiritual)

                        - qq. 65-74: a obra dos seis dias (a substância corporal)

                        - qq. 75-102: o Homem [VER ABAIXO UM ESQUEMA MAIS COMPLETO]

                                - qq. 75-89: a natureza do homem

                                        - qq. 75-83: a alma humana (essência e potências)

                                        - qq. 84-89: actos e os "habitus" do intelecto humano (o conhecimento)

                                        - qq. 90-102: a produção do homem

                - qq. 103-119: o governo divino

                        - qq. 103-105: como é que Deus governa o mundo

                        - qq. 105-114: a acção dos anjos

- qq. 1 l5-l 19: acção da criatura corporal e produção do homem

IIª Parte: o movimento da natureza racional para Deus

       Iª parte O homem enquanto princípio dos seus actos, porque dotado de livre arbítrio e agir

                - qq. 1-5: a beatitude

                - qq. 6-89: os actos humanos

                        - qq. 6-48: os actos humanos em si mesmos

                                - qq. 6-21: os actos próprios do homem

                                - qq. 22-48: as paixões da alma: gerais, concupiscíveis e irascíveis

                        - qq. 49-89: os "habitus"

                                - qq. 55-70: as virtudes

                                - qq. 71-89: os vícios e os pecados

                - qq. 90-108: a lei

                - qq. 109-114: a graça de Deus

       IIª parte (análise das acções humanas concretas)

                - qq. 1-46: as virtudes teologais: fé, esperança e caridade)

                - qq. 45-170: as virtudes cardeais (prudência, justiça, força, temperança e vícios opostos)

                - qq. 171-189: carismas e estados de vida (carismas, vida contemplativa e activa, estados)

IIIª Parte: Cristo salvador

       - qq. 1-59: o Salvador (o mistério da encarnação e os actos e sofrimento do Salvador)

       - qq. 60-90: os Sacramentos (em geral e em particular)

- Suplemento: organizado por Reginaldo Piperno a partir de textos de Tomás anteriores. Inclui dois tratados: sobre as indulgências e sobre o casamento.

 

 

Tratado do Homem

Suma de Teologia, I, questões 75-102

Parte I

(...)

- qq. 75-102: o Homem (a criatura composta de alma e corpo)

       - qq. 75-89: a natureza do homem

                - qq. 75-83: a alma humana (essência e potências)

                        - q. 75: a alma em si

                        - q. 76: a alma na sua união com o corpo

                        - qq. 77-83: as potências (ou faculdades) da alma humana

                                - q. 77: as potências da alma em geral

                                        - q. 78: as potências não espirituais

                                        - q. 79: as potências intelectuais

                                        - qq. 80-83: as potências apetitivas

                                                 - q. 80: as potências apetitivas em geral

                                                 - q. 81: a sensualidade

                                                 - q. 82: a vontade

                                                 - q. 83: o livre arbítrio

                        - qq. 84-89: actos e os "habitus" do intelecto humano

                                - qq. 84-88: o conhecimento na alma unida ao corpo

                                        - q. 84-86: como é que a alma conhece os corpos

                                                 - q. 84: por que meio é que a alma conhece

                                                 - q. 85: como e em que ordem conhece

                                                 - q. 86: o que é que ela conhece

                                        - q. 87: como é que a alma se conhece a si mesma

                                        - q. 88: como é que conhece substâncias imateriais superiores

                                - q. 89: conhecimento na alma separada do corpo

       - qq. 90-102: a produção do homem

                - qq. 90-93: produção e causa final da produção do homem

                - qq. 94-102: estado, condição e lugar do primeiro homem

 

José Meirinhos []

© 2024 José Meirinhos. Página actualizada a 08-05-2022
Desenvolvido por