• IF

  • Members

    navigation

Paulo Jorge Delgado Pereira Tunhas

Assistant Professor

Integrated member

Go back
  • Thematic Line


    Modern & Contemporary Philosophy
  • Research Group


    Aesthetics, Politics & Knowledge
  • Web information and contact

    Curriculum Vitae

    Paulo Tunhas is a Professor at the Department of Philosophy of University of Porto. He teaches Modern and Contemporary Philosophy at graduate and undergrate levels. He did his studies of Philosophy in Porto, Cambridge and Paris. He has a PhD from the École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris (supervisor: Fernando Gil; title: Abîmes, passages, limites. Système et pré-système chez Kant).

    Grupos de Investigação no Instituto de Filosofia:

    Actividade de Docência:

    • Professor Auxiliar Convidado na Faculdade de Letras da Universidade do Porto a partir do segundo semestre do ano lectivo de 2007/2008, onde lecciona as cadeiras de Filosofia Moderna I e II, e Filosofia Contemporânea I e II do Curso de Filosofia, bem como seminários de mestrado (Modernidade e Pós-modernidade; Ética e Fenomenologia) e de Doutoramento (O Pensamento e os seus Objectos. Sistemas filosóficos e maneiras de pensar).

    • Professor Auxiliar na Universidade Fernando Pessoa, Porto, de 1997 a 2008. Cadeiras leccionadas: Epistemologia, Sociologia Geral, Sociologia Contemporânea, Pensamento Político, Teoria da Comunicação e Sociedade, Texto, Crítica, no âmbito das licenciaturas de Relações Internacionais, Psicologia, Serviço Social e Estudos Culturais. Seminários de pós-graduação: Psicanálise e Pensamento Contemporâneo, Estética e Relação Estética, Hermenêutica, Ética e Deontologia.
       

    Formação Académica:

    • Doutoramento, sob a direcção do Professor Fernando Gil: Abîmes, Passages, Limites: Système et Pré-Système chez Kant (477 págs.), Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, Paris, Fevereiro de 1998 (menção: Très honorable, avec les félicitations à l’unanimité du jury). (Júri constituído pelos Professores Doutores António Marques, Claude Imbert, Fernando Gil, François Marty e Jean Petitot.)

    • DEA (Diplôme d’Etudes Approfondies) na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, Paris, em 1991: Intention et Dissimulation dans la Philosophie Pratique de Kant (112 págs.).

    • Licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em 1982, com a média final de 16,1 valores. (Prémio da Fundação Engenheiro António de Almeida para a melhor Licenciatura em Filosofia no ano de 1982.).

     

    Projectos de Investigação:
     

    • Pesquisador Visitante no Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (IUPERJ), de Abril a Agosto de 2006. No quadro da estadia no IUPERJ, dirigiu uma série de seminários dedicados ao pensamento de Fernando Gil, consistindo numa análise e discussão atenta dos seus principais livros: Aproximação Antropológica; La Logique du Nom; Mimésis e Negação; Provas; Tratado da Evidência; e A Convicção.

    Publicações:
    Livros

    • Abismos, passagens, limites: sistema e pré-sistema em Kant (tradução da tese de doutoramento, em preparação).

    • William James: Self e emoções (organização, em conjunto com Paulo de Jesus), MLAG Discussion Papers, Edições da Universidade do Porto, Porto, 2011.

    • Breve história da filosofia (em colaboração com Alexandra Lafaia Abranches, em preparação), ed. D. Quixote, Lisboa.

    • O pensamento e os seus objectos. Maneiras de pensar e objectos de pensamento, MLAG Discussion Papers, Edições da Universidade do Porto, Porto, 2011 (no prelo, em primeiras provas).

    • O Essencial sobre Fernando Gil, IN/CM, Lisboa, 2007.

    • Impasses, seguido de Coisas vistas, coisas ouvidas, Europa-América, Mem Martins, Outubro de 2003; 2ª edição, Novembro de 2003 (em colaboração com Fernando Gil e Danièle Cohn).


    Capítulos de livros

    • Entradas “Contingência” e “Paixões”, no Dicionário de filosofia moral e política, dirigido por António Marques e Diogo Pires Aurélio (em preparação).

    • Entradas “José Marinho”, “Ortega y Gasset”, “Álvaro Ribeiro”, no Dicionário Regiano, dirigido por Eugénio Lisboa e Isabel Vaz Ponce de Leão, IN/CM, Lisboa (em preparação).

    • “Retorno e repetição. Kierkegaard e Nietzsche”, in Carlos Gaspar, Fátima Patriarca, Luís Salgado Matos, org., Ser do Contra. Homenagem a Manuel de Lucena, Imprensa de Ciências Sociais (no prelo).

    • “Fama e Tempo”, in José Pedro Zuquete e Eduardo Cintra Torres, org., A vida como um filme: celebridade e fama no século XXI, Texto Editora, 2011, 217-228.

    • “O pensamento da beleza. Descrição, indivíduo e estilo”, in Eugénia Vilela, org., Sismografias. Estética(s) e artes II, Afrontamento, Porto, 2011, 37-53.

    • Kant e a política. Continuidade e dinâmica”, in Leonel Ribeiro dos Santos, org., Actas do II Colóquio Ítalo-Luso-Brasileiro, Was ist der Mensch? Antropologia, Estética e Teleologia em Kant, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011, 763-766.

    • “La Beauté”, in Sofia Miguens, João Alberto Pinto, Manuela Teles, org., Aspectos do juízo/Aspects of Judgment, MLAG Discussion Papers, Universidade do Porto, 2011, 69-106.

    • “A crença, entre a univocidade e a equivocidade”, in Cristina Marinho, org., Teatro do Mundo. Tradição e vanguardas: cenas de uma conversa inacabada, Centro de Estudos Teatrais da Universidade do Porto, 2010, 167-170.

    • “Rawls’ via media: between realism and utopianism”, in Diogo Pires Aurélio, Gabriele de Angelis e Regina Queiroz, org., Sovereign Justice. Global Justice in a World of Nations, De Gruyter, Berlim / Nova-Iorque, 2010, 199-208.

    • Still climbing after knowledge infinite. Três modelos de inteligibilidade hipotética”, in Maria Manuel Araújo Jorge, org., Porque nos interessa a filosofia?, Esfera do Caos, Porto, 2010, 11-72.

    • “Benjamin: «Herboriser sur le bitume»”, in Isabel Patim, Alcinda Cabral, Isabel Ponce de Leão e Fernando Hilário, org., Literatura e geografia – da geografia das palavras à geografia das migrações, Edições Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2009, 185-193.

    • “Agustina Bessa-Luís: entre-expressão e inacabamento”, in Isabel Vaz Ponce de Leão, org., Estudos Agustinianos, Edições Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2008, 469-477.

    • “A Recusa da Ideologia”, in Maria Filomena Molder, org., Paisagens dos confins. Fernando Gil, Edições Vendaval, Lisboa, 2009, 191-198.

    • “Alexis de Tocqueville”, Annualia Verbo 2008/2009, Editorial Verbo, Lisboa, 2009, 257-260.

    • Sá de Miranda: razões de descrer”, in Vítor Oliveira Jorge (org.), Crenças, religiões, poderes, Afrontamento, Porto, 2008, 21-3.

    • “Verdade e imaginação em Mimésis e Negação”, in AAVV, A Razão apaixonada. Homenagem a Fernando Gil, Lisboa, IN/CN, 2008, pp. 43-74.

    • “O Belo, o Bem e o Verdadeiro”, in AAVV, Que Valores para este tempo?, Gradiva e Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2007, 35-39. (Versão inglesa, “The Beautiful, the Good and the True”, in Daniel S. Hamilton, ed., Which Values for Our Time?, Center For Transatlantic Relations, The Johns Hopkins University, Washington, DC, 2007, 3-6.)

    • “Kant entre Fichte e Maïmon: Coisa em si e inteligibilidade” (reedição de um artigo publicado na revista Análise em 1998), in Leonel Ribeiro dos Santos, org., Kant em Portugal: 1974-2004, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007, 217-243.

    • “Sistema e Mundo. Kant e os Estóicos”, in Leonel Ribeiro dos Santos, org., Kant 2004: posterioridade e actualidade, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007, págs. 129-149.

    • (com Fernando Gil) “Pequena nota técnica sobre a má-fé”, in Fernando Gil, Acentos, IN/CM, 2005, págs. 391-395.

    • “Música e pensamento: a partir de Wittgenstein”, in Andoni A. Puelles e Carmen G. Rodriguez, org., Wittgenstein, 50 años después, tomo II, Editora Regional de Extremadura, Mérida, 2004, 61-84.

    • “Três tipos de crença”, in Fernando Gil, Pierre Livet e João Pina Cabral, org., O processo da crença, Gradiva, Lisboa, 2004, 119-134.

    • “Akribeia, maneiras de pensar e objectos de pensamento. O exemplo da descoberta”, in Adelino Cardoso e José M. Justo, org., Sujeito e passividade, Colibri, Lisboa, 2003, 21-60.

    • “Intention, bonheur, dissimulation”, in Michèle Cohen-Halimi, org., Kant. La rationalité pratique, PUF, Paris, 2003, 173-232.

    • Intervenções em Vítor Oliveira Jorge, org., As imagens que nos vêem, ADECAP, Porto, 2003.

    • “Quando pensar é agir: teoria dos actos de pensamento”, in F. Gil e V. Lopez-Dominguez, org., Actas do colóquio Fichte: crença, imaginação e temporalidade, Campo das Letras, Porto, 2002, 109-145.

    • Entradas “Deliberação”, “Indivíduo”, “Risco”, e “Utopia”, no Dicionário de filosofia moral e política, dirigido por António Marques e Diogo Pires Aurélio, 2001 sgts (disponíveis em http://www.ifl.pt/dfmp.htm).

    • “A intencionalidade nas artes”, in Isabel Vaz Ponce de Leão, org., Actas do Colóquio Literatura, cinema e outras artes, Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2001, 441-481.

    • “Hipócrates e o pensamento da passagem”, in Maria Luísa Couto Soares, org., Em torno de Hipócrates, Colibri, Lisboa, 1999, 11-61.

    • “Tomar a evidência a sério”, in Fernando Gil, Modos da evidência, Lisboa, IN/CM, 1998, 341-353.
    • “Introdução” a Manuel Canijo, Textos, Colibri, Lisboa, 1997, 13-25.
    • “No coração da noite”, in Charrua, ed. António Charrua, Évora, 1990, 22-23.



    Artigos Científicos em Revistas Nacionais e Internacionais

    • “O sujeito no conhecimento. Sobre Fernando Gil” (Phainomenon, no prelo).

    • “A província da beleza. Edgar Allan Poe”, Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa, 7, 2010, 34-38.

    • “Eduardo Paz Barroso, A locomotiva dos sonhos”, Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa, 7, 2010, 510-513.

    • “Jackie Pigeaud, A crise”, Revista Portuguesa de Filosofia, Tomo 66, Fasc. 1, 2010, 161-164.

    • “Trois types de croyance”, Rue Descartes, 68, 2010, 50-61.

    • “Kant, a Paz e o Resto”, Diacrítica, 23.2, 2009, 287-298.
    • “Belief Relations”, Antropológicas, 11, 2009, 205-223.

    • “Realidade, prazer, conflito. Freud e o problema da representação”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. 48, 2008, 9-59.

    • “Brasil barroco: pequeno inventário utópico”, Nuestra América, 5, 2008, 13-27.

    • “Colóquio Fernando Gil”, Revista Portuguesa de Filosofia, Tomo 63, Fasc. 1-3, 2007, 743-746.

    • “Fernando Gil e a Controvérsia”, Revista Portuguesa da História do Livro, 19, 2007, 285-310.

    • “A intimidade: do indivíduo ao segredo”, Philosophica, 28, Lisboa, 2006, 275-284.

    • “Pessoa: operações e contemplação”, Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa, 3, Porto, 2006, 39-43.
    • “Existência, intuição, presença. A tripartição dos actos de crença no Tratado da natureza humana”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. 46, 1-4, Porto, 2006, 11-30.

    • “A filosofia levada a sério: o seminário”, Diacrítica, nº 20/2, Universidade do Minho, Braga, 2006, 201-206.

    • “Da crença à convicção”, Análise, nº 25, Campo das Letras, Porto, 2006.
    • “Fernando Gil: um convite à leitura”, Atlântico, 14, Maio de 2006.
    • “Admiração, caça, ambiguidade. Semelhanças e dissemelhanças em Montaigne”, Cadernos de filosofia, nº 16, Lisboa, 2005, 119-160.

    • “Omnipotência do pensamento e narcisismo intelectual”, Atlântico, 1, Abril de 2005.

    • “Kant. Le paysage du système”, Cahiers philosophiques, nº 94, Delagrave, Paris, 2003, 9-39.

    • “Entre o enigma e a banalidade. Wittgenstein e a questão: «O que é pensar?»”, Análise, nº 24, Campo das Letras, Porto, 2003, 43-94.

    • “Afectos, formas, evidência. O retorno a Hipócrates em filosofia da medicina”, Análise, nº 23, Porto, 2002, 161-166.

    • “Particular e universal: aspectos classificatórios, antropológicos, ontológicos e lógico-gramaticais”, Discursos, nº especial, Porto, Junho de 2001, 323-348.

    • “Karl-Otto Apel: la philosophie à partir de la limite”, Antropológicas, nº 5, 2001, Porto, 161-206.



    Outras Informações:
    [MLAG: PI Philosophical Sistems]

    Os seus trabalhos incidiram sobretudo sobre o modo como as filosofias operam, por diversas maneiras, processos de sistematização cognitiva. Além de vários estudos sobre Kant (“Kant. Le paysage du système”, Cahiers philosophiques, nº 94, Delagrave, Paris, 2003, 9-39; “Intention, bonheur, dissimulation”, in Michèle Cohen-Halimi, edta., La rationalité pratique, PUF, Paris, 2003, 173-232, entre outros), levou a cabo tentativas de compreender a ideia de sistema a partir dos Estóicos (“Sistema e Mundo. Kant e os Estóicos”, in Leonel Ribeiro dos Santos, org., Kant 2004: posterioridade e actualidade, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007, págs. 129-149), de Hume (“Existência, intuição, presença. A tripartição dos actos de crença no Tratado da natureza humana”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. 46, 1-4, Porto, 2006, 11-30), de Fichte (“Quando pensar é agir: teoria dos actos de pensamento”, in F. Gil e V. Lopez-Dominguez, edts., Actas do colóquio Fichte: crença, imaginação e temporalidade, Campo das Letras, Porto, 2002, 109-145), de Freud (“Realidade, prazer, conflito. Freud e o problema da representação”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. 48, 2008, 9-59), e de Wittgenstein (“Entre o enigma e a banalidade. Wittgenstein e a questão: «O que é pensar?»”, Análise, nº 24, Campo das Letras, Porto, 2003, 43-94). Publicou igualmente estudos sobre outros autores, como, por exemplo, Montaigne (“Admiração, caça, ambiguidade. Semelhanças e dissemelhanças em Montaigne”, Cadernos de filosofia, nº 16, Lisboa, 2005, 119-160), Karl-Otto Apel (“Karl-Otto Apel: la philosophie à partir de la limite”, Antropológicas, nº 5, 2001, Porto, 161-206) e Fernando Gil, sobre o qual escreveu, além de vários artigos, um livro (O essencial sobre Fernando Gil, IN/CM, Lisboa, 2007).

    Em articulação com a ideia de sistema, desenvolve ainda uma investigação sobre a questão “o que é pensar?”, da qual resultaram vários estudos, entre os quais: “Três maneiras de pensar - I”, Análise, nº 21, Porto, 2000, 113-184; “Três tipos de crença”, in Fernando Gil, Pierre Livet e João Pina Cabral, organizadores, O processo da crença, Gradiva, Lisboa, 2004, 119-134; “Akribeia, maneiras de pensar e objectos de pensamento. O exemplo da descoberta”, in Adelino Cardoso e José M. Justo, org., Sujeito e passividade, Colibri, Lisboa, 2003, 21-60.

    Foi Professor Auxiliar na Universidade Fernando Pessoa, Porto, de 1997 a 2008, e Pesquisador Visitante no Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (IUPERJ), de Abril a Agosto de 2006. É Professor Auxiliar Convidado na Faculdade de Letras da Universidade do Porto desde o segundo semestre do ano lectivo de 2007/2008, onde ensina Filosofia Moderna e Filosofia Contemporânea. É igualmente membro do MLAG desde a criação formal do grupo. Aí se ocupa da história da filosofia moderna e contemporânea.

     

    Atualizado em 28-11-2012

    Go back