• IF

  • Publications

    navigation

Lévinas e a Fenomenologia. O Rosto como facticidade de outrem

Júlia Maria Pinto de Leão, «Lévinas e a Fenomenologia. O Rosto como facticidade de outrem» 2007

Go back
Publication of Archived Group GFMC (2007 - 2015), now integrated in:
  • Thematic Line


    Modern & Contemporary Philosophy
    • Type:

      Theses
    • Author:

      Júlia Maria Pinto de Leão
    • Title:

      Lévinas e a Fenomenologia. O Rosto como facticidade de outrem
    • Year:

      2007

    Summary

    Lévinas e a Fenomenologia. O Rosto como facticidade de outrem

    Colecção Campo da Filosofia nº 26, Campo das Letras

    Description

    Edição: 2007
    Páginas: 180
    Editora: Campo das Letras

    "O presente livro é resultado de uma investigação árdua (…).
    Trata-se de um estudo exigente e rigoroso que tem como objectivo prioritário realçar a faceta fenomenológica da obra levinasiana. Num pertinente cotejo entre o filósofo lituano e o pai da fenomenologia, a autora procura mostrar qual o lugar que esta corrente ocupa no pensamento de Emmanuel Lévinas."
    (Do Prefácio de Maria José Cantista)

    "A partir da nossa leitura e do entendimento de Lévinas sobre a sua própria obra, pretendemos esclarecer a dúvida que nos inquietou ao longo desta investigação: qual o lugar da fenomenologia no seu pensamento?
    Pretendendo ser fiel ao pensamento do autor, o nosso estudo tem como meta recolocá-lo no seu lugar próprio, onde a fenomenologia é a própria filosofia e o seu método é o fenomenológico (aliás, método esse que também nos conduzirá, no interior desta experiência levinasiana, é claro, até ao horizonte da sua afirmação ética, a qual se caracteriza por um invulgar traço de sentimento humano)."
    (Da Introdução)


    ÍNDICE

    Prefácio, 7

    Agradecimentos, 11

    Siglas e abreviaturas, 13

    Introdução, 15

    I Parte - A Experiência do Mundo

    1. A emergência do sujeito em Descartes, 31

    2. O testemunho do sujeito transcendental em Kant, 34

    3. Reinvenção do cartesianismo na fenomenologia husserliana, 41

    4. A fenomenologias do sensível, Lévinas, leitor de Husserl, 50

    5. A redução ao sensível enquanto sensível e a sua relação ao Leib, 52

    5.1 A fenomenologia enquanto epoché do objecto e da representação, 52

    5.2. O sensível não é qualidade do objecto, 54

    5.3. A intencionalidade fundamental como movimento da sensação, 57

    5.4. A iteração originária como estrutura do tempo e do espaço, 64

    6. Acerca da diastase: Autrement qu'être au-delá de l'essence, 73

    7. A epoché da intencionalidade e a impressão originária pura, 79

    7.1. A consciência não intencional como instituição da subjectividade, 84

    II Parte - A experiência do outro e a instituição da subjectividade humana concreta

    1. A diacronia e o dizer (a relação transcendental ao outro e a instituição da subjectividade fundamentada nessa relação), 95

    2. O rosto como sinónimo de anti-imagem, 96

    3. A Intropatia husserliana e o rosto, 100

    4. A diacronia

    4.1. A estrutura interna da relação com o rosto e a instituição da subjectividade concreta, 108

    4.2. A estrutura transcendental da relação com o outro com base na instituição do sujeito, 109

    4.3. A diacronia como subjectividade, 111

    III Parte - Ética e Infinito

    1. Definição e distinção entre Instituição Primária e Instituição Secundária, 117

    1.1. A instituição secundária ? a exigência da noção de Deus, 123

    2. A arquitectónica da Instituição secundária em Lévinas após 1963, 125

    2.1. O Infinito e o rosto, 125

    3. O rasto do Infinito e o rosto, 130

    4. Instituição da ética ao nível da diacronia, 134

    4.1. A distorção ética do dizer e o profetismo, 134

    Conclusão, 141

    Bibliografia, 147

    Bibliografia do Autor, 147

    Bibliografia sobre o Autor, 149

    Bibliografia paralela, 151

    Go back

    Activities