• IF

  • Activities

    navigation

Ser ou não ser Kantiano - Projecto The Bounds of Judgement

From: 2013-02-22 To:2013-04-26

Go back
Group MLAG (2013 - 2015) now integrated in:
  • Thematic Line


    Modern & Contemporary Philosophy
  • Research Group


    Mind, Language & Action
  •  

    SER OU NÃO SER KANTIANO
    Sextas-feiras, Sala 208, 13h30


    Este seminário de investigação, com início em 22 Fevereiro de 2013 (13h30, Sala 208 da FLUP), centrar-se-á na concepção kantiana do juízo, que queremos comparar com a fregeana. Interessa-nos explorar as consequências de ambas as concepções na visão das relações pensamento-mundo. Até agora o trabalho do projecto The Bounds of Judgement tem sido sobretudo centrado em Frege (e Wittgenstein) – neste seminário, guiados pelo livro de Béatrice Longuenesse Kant and the Capacity to Judge – sensibility and discursivity in the transcendental analytic of the Critique of Pure Reason, dedicar-nos-emos exclusivamente a Kant.

    Kant apresenta a tabela dos juízos (a Urteilstafel) na Secção 9 da Analítica Transcendental da Crítica da Razão Pura [§9 Da função lógica do entendimento nos juízos]. Para Kant, um juízo é formado a partir de conceitos – é uma síntese (Synthesis), uma síntese discursiva; sínteses discursivas são combinações de conceitos em juízos. O juízo é ainda dito ser a unidade de um acto, segundo uma forma. Mais, Kant considera que existe um paralelismo entre a síntese discursiva, a unidade do juízo a partir dos conceitos e a unidade da multiplicidade (Mannifaltigkeit) a partir da intuição (Anschauung), i.e. a síntese sensível. Analítica Transcendental, na Crítica da Razão Pura. (§10, B 105): “A mesma função que confere unidade às diversas representações num juízo, dá também unidade à mera síntese de representações diversas numa intuição”. Esta ideia é extremamente importante em Kant – no projecto chamámos-lhe o slogan de Kant. Nesta passagem está resumida a relação, que será importantíssima na Crítica, entre a receptividade da sensibilidade, a espontaneidade do entendimento e a unidade da auto-consciência – toda a interpretação da Crítica poderia concentrar-se aqui. O embate entre Frege e Kant não diz respeito apenas a concepções de analiticidade – Frege pura e simplesmente discorda que exista esta função psicológica de unidade. A discordância tem ramificações que vão até ao debate realismo / idealismo.

     

    Calendário das sessões:

     

    22 de Fevereiro - Prof. Sofia Miguens – "Ser ou Não Ser Kantiano: uma interpretação da teoria kantiana do juízo"

    1 de Março - Prof. João A. Pinto – “Kant? Qual Kant? Uma perspectiva sobre a doutrina do esquematismo"

    8 de  Março – Dr. Mattia Riccardi – “Strawson sobre experiência e objectividade em Kant

    22 de Março - Dr. João Santos – “Podem os sentidos ser silenciados? Sobre o Carácter Transcendental da Experiência"

    29 de Março – Não haverá sessão.

    5 de Abril - Prof. Paulo Tunhas – “Três tipos de Juízos"

    12 de Abril - Dr.ª Clara Morando – "A concepção kantiana de consciência"

    19 de Abril - Não haverá sessão.

    26 de Abril – Dr. Paulo de Jesus – "O eu lógico e o eu psicológico"

    3 de Maio - Prof. Costa Macedo - TBA


    Cartaz de divulgação

    (Project PTDC/FIL-FIL/109882/2009, The Bounds of Judgement – Frege, cognitive agents and human thinkers)

    ____________________________________________
    Instituto de Filosofia (UI&D 502)
    Faculdade de Letras da Universidade do Porto
    Via Panorâmica s/n
    4150-564 Porto
    Tel. 22 607 71 80
    E-mail: ifilosofia@letras.up.pt
    https://ifilosofia.up.pt/
    Financiamento, avaliação e auditoria do Instituto de Filosofia: FCT; COMPETE; QREN; UE

    Go back

    Activities