• IF

  • Activities

    navigation

Sessão 7 | PPS Talks | 2021-2022 | Zoom Seminars

From: 2021-06-15 To:2021-06-15

Go back
  • Thematic Line


    Modern & Contemporary Philosophy
  • Research Group


    Philosophy & Public Space
  • 15 de junho 2021 (terça-feira) | 18h00

    Sessão 7

    Comer bem. Para uma ética alimentar? | Tiago Carvalho (CoLABOR)

     

    Moderação: Maria Assumpta Coimbra (IF-UP) 

     

    ONLINE
    Link para a sessão Zoom deve ser solicitado por email: ifilosofia@letras.up.pt (até às 17h00 do próprio dia).
    Por favor, indicar afiliação institucional e categoria (professor, estudante, etc.) para completar a inscrição.

     


    Resumo: A apresentação consiste numa introdução às principais questões que rodeiam a alimentação nas sociedades industriais. A alimentação, como forma de manutenção metabólica de um organismo, contém uma metafísica implícita de abertura e manutenção do ser. No ser humano, esta abertura implica uma descoberta da alteridade, assente na transformação da natureza em cultura. A alimentação possui também um carácter cultural e que transporta um imaginário identitário que lhe está associado. Acresce que, numa época de abundância, comer é também uma das muitas formas de subjectivação e descoberta de si próprio.

    O objectivo geral desta apresentação é averiguar se e como poderemos ser responsáveis pela forma como nos alimentamos, ou seja, saber se é ainda possível aos agentes constituírem-se e deliberar segundo uma orientação normativa a respeito dos seus actos alimentares. Sabemos que qualquer refeição, pela sua recorrência e disseminação populacional, é um fenómeno pleno de consequências e efeitos cumulativos. Para tal, expõe-se uma breve resenha em que se identificam as mudanças que sobrevieram à natureza da produção, do abastecimento e do consumo de bens alimentares, paralelas às transformações ocasionadas pela modernidade. Só neste contexto de fundo, paralelo à abundância alimentar e que privilegia a densidade do acto de escolha, se pode entender o alcance das complexas questões que hoje se prendem com a alimentação.

    A esse propósito, pretende-se assinalar o papel decisivo que as tecnologias detêm na transformação da forma como nos alimentamos, mediando ainda hoje as nossas acções de consumo e limitando o horizonte das nossas opções. Manteremos que a distorção epistemológica introduzida pelas tecnologias a respeito da história produtiva de um certo alimento é um aspecto crítico que dificulta, quando não impossibilita, a deliberação. O aspecto da complexidade parece aliás distinguir a ética ambiental da ética alimentar. Por fim, apresentamos a proposta de Albert Borgmann a respeito da “cultura da mesa” como meio para uma vida boa. Como prática focal, a “cultura da mesa” pode, em certa medida, ter cabimento como proposta de resolução, ainda que limitada, dos problemas levantados.

     

     

    Bio: Tiago Mesquita Carvalho é licenciado em Engenharia do Ambiente pelo Instituto Superior Técnico e mestre em Filosofia da Natureza e do Ambiente pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (2012). É também membro da Sociedade Portuguesa de Ética Ambiental e foi investigador e tradutor no projecto Filosofia e Arquitectura da Paisagem (PTDC/FIL-FIL/100565/2008) e investigador no projecto EyeHEAR, Qualitative sound maps for visualization of the urban soundscapes (PTDC/AMB/73207/2006). A sua tese de mestrado foi realizada sob a supervisão dos professores Adriana Verissímo Serrão e Carlos João Correia e foi publicada com o apoio da Fundação Oriente após uma bolsa de investigação do projecto "Representações Portuguesas e Japonesas da Natureza e do Ambiente". Foi bolseiro de doutoramento da FCT e concluiu uma tese de doutoramento em Filosofia da Tecnologia pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2019). A sua tese ("Medida e coisas. Virtudes, responsabilidade e tecnologia") debruça-se como a tecnologia altera a natureza da acção e da responsabilidade, ao mesmo tempo que se mostra necessário considerá-la para qualquer conceito de vida boa no contexto da crise ambiental e da escalada da ubiquidade da tecnologia. É actualmente investigador no CoLABOR na linha de investigação sobre o impacto de tecnologias no trabalho e no emprego. Tem publicado artigos em revistas em Portugal e no estrangeiro principalmente sobre os seguintes interesses de investigação: filosofia e história da tecnologia, ética da virtude, estudos de ciência e tecnologia, ética e estética ambiental.


     

    Ciclo de Seminários PPS Talks 2021-2022 | Zoom Seminars: https://ifilosofia.up.pt/activities/pps-talks-2021-2022-zoom-seminars

     

    Imagem: Fotografia de Irandina Afonso

     

    Organização:
    Research Group Philosophy and Public Space
    Apoio técnico, divulgação e comunicação: Irandina Afonso | Isabel Marques
    Instituto de Filosofia da Universidade do Porto - FIL/00502
    Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)

    Go back