Username: Senha:  Ok
http://193.137.34.200/proj/imago_mundi/gomes_de_lisboa
© 2021 Instituto de Filosofia da FLUP
Página actualizada a 13-08-2021
Página impressa a 26-10-2021

Gomes de Lisboa


Obras Publicadas


Imago Mundi, 15





Gomes de Lisboa, Questão muito útil sobre o sujeito de qualquer ciência, principalmente, porém, o da filosofia natural. Questio perutilis de cuiuscumque scientie subiecto, principaliter tamen naturalis philosophie, introdução, edição, tradução e glossário Mário João Correia, (Col. Imago Mundi, 15), Ed. Afrontamento, Porto 2016. 120 pp. [Ficha editorial]





Gomes de Lisboa (c. 1440/50-1513), frade franciscano nascido em Lisboa, terá obtido o bacharelato em Paris, fazendo quase toda a sua carreia académica e eclesiástica em Itália. Era próximo do papa Júlio II e frequentou a corte de Ludovico Sforza em Milão. Entre 1511 e 1513 desempenhou em Roma as funções de Vigário Geral Apostólico da Ordem dos Frades Menores. Em 1513 o papa Leão X nomeou-o Arcebispo de Nazaré, mas faleceria pouco depois, nesse mesmo ano. Ensinou Filosofia e Teologia na Universidade de Pavia entre 1482 e 1511, sendo por muitos elogiado popr ser exímio mestre e expositor. A breve Questão muito útil que aqui se edita e traduz foi publicada em data incerta entre 1485 e 1492 e reeditada em Veneza em 1517. Nos três artigos deste breve opúsculo de crítica a Nicoletto Vernia, um dos expoentes do aristotelismo renascentista, discutem-se questões epistemológicas fundamentais: quais os critérios para a definição do objeto de uma ciência, qual é o objeto da Filosofia Natural ou Física e por fim quais são as ciências primeiras e de que maneira todos os outros conhecimentos lhes estão subordinados. Gomes pretende seguir com rigor o pensamento de João Duns Escoto, mas sem se afastar de Aristóteles e do seu comentador Averróis. A nova edição do texto latino é acompanhada de tradução, antecedidas de uma Introdução que contextualiza a obra e os problemas em discussão. Um glossário final dilucida os conceitos que sustentam a argumentação subtil e especulativa de Gomes de Lisboa.

Mário João Correia é Mestre em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (2015), com uma dissertação sobre Gomes de Lisboa que inclui a edição e tradução da Questio perutilis e a primeira edição de outra obra latina de Gomes de Lisboa, que até então permanecia inédita, o Scriptum super Questiones Metaphisice Antonii Andree (Escrito sobre as Questões de Metafísica de António Andreas). Foi investigador do projeto "Edição Crítica e Estudo das Obras Atribuídas a Petrus Hispanus" (2016-2019) e doutorado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto com uma tese de sobre o problema da suficiência e da derivação das categorias nas escolásticas medieval e moderna.



Índice








Breve cronologia da vida e obra de Gomes de Lisboa

 1440-1450? - nasce em Lisboa.

antes de 1473 - obtém o grau de Bacharel em Teologia, provavelmente em Paris.

antes de 1477 - reside no convento franciscano de Veneza, onde prepara a edição da Summa Astesana, também conhecida como Summa de casibus conscientiae, obra jurídica de 1317, do franciscano Astesano de Asti.

1478 - primeira edição impressa da Summa Astesana, cujas anotações teológicas são da autoria de Gomes de Lisboa (reimpressa em 1480, 1482 e 1519).

antes de 1482 - obtém o grau de Mestre em Teologia, provavelmente em Veneza.

1482-1511 - ensina filosofia e teologia na Universidade de Pavia.

1483-1484 - leciona uma cátedra de metafísica - Lectura metaphysicae in festis. É possível que o manuscrito denominado Scriptum super Questiones Methaphisice Antonii Andree reporte os conteúdos dessas lições.

1485-1492? - publica a Questio perutilis de cuiuscumque scientie subiecto, principaliter tamen naturalis philosophie, em Pavia, na tipografia de Antonio Carcano (reimpressa em Veneza, 1517, por Octavianus Scotus).

1491 - em maio, escreve a Questio an licita sit institutio Montis Pietatis (impressa em Veneza algures entre 1495-1498); é designado Lector regens conventus Papie, leitor regente do convento franciscano de Pavia.

1493 - figura como sócio (socius ultramontanus) do Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores.

1493-1494 - data do manuscrito Scriptum super Questiones Methaphisice Antonii Andree, onde se reportam os comentários de Gomes de Lisboa às questões de metafísica de António Andreas, um dos grandes divulgadores do pensamento de Duns Escoto no século XIV.

1495 - a 3 de maio, Martín de Valência, figura cimeira da evangelização do México, solicita ao papa Alexandre VI o privilégio de ser examinado por Gomes de Lisboa.

1498 - a 9 de fevereiro, assiste a uma reunião no palácio de Ludovico Sforza, em Milão, com importantes figuras, entre as quais se encontrava Leonardo da Vinci.

1506 - Imprime-se uma obra - Sideralis Abyssus, de Tommaso Radini Tedeschi, teólogo e poeta dominicano - acompanhada de uma carta de Gomes de Lisboa.

1507 - Imprime-se uma obra - Nuper a Iudaismo ad sacram Christi religionem translati compendium, de Paolo Ricci, judeu convertido ao cristianismo, em parte devido a conversas que teve com Gomes de Lisboa - com uma carta do autor português (reimpressa em 1510 e 1514).

1509 - a 2 de junho, escreve em Pavia uma carta que Jacobus de Marchepallu, um autor franciscano, doutor em direito canónico, incluirá na edição do seu Tractatus de incolentibus purgatorium (impressa em 1509 e reeditada em 1512).

1511-1513 - de 9 de outubro de 1511 a 14 de maio de 1513, exerce o cargo de Vigário Geral Apostólico da Ordem dos Frades Menores, por designação do papa Júlio II. Muda-se para Roma.

1512 - em maio, participa nas primeiras sessões do V Concílio de Latrão, convocado por Júlio II.

1513 - é nomeado Arcebispo de Nazaré, provavelmente por Leão X; morre no mês de agosto e é enterrado em Roma, no convento de San Pietro in Montorio.







A publicação deste volume contou com o apoio do Projeto estratégio do Instituto de Filosofia (Ref.ª PEst-C/FIL/UI0502/2011), financiado por Fundos FEDER através do Programa Operacional Factores de Competitividade - COMPETE (Ref.ª FCOMP-01-0124-FEDER- 022671) e por Fundos Nacionais, através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.


© 2021 Instituto de Filosofia da FLUP. Página actualizada a 13-08-2021
Desenvolvido por