Username: Senha:  Ok
http://193.137.34.200/proj/imago_mundi/joaquim_de_fiore
© 2021 Instituto de Filosofia da FLUP
Página actualizada a 13-08-2021
Página impressa a 27-10-2021

Joaquim de Fiore


Obras Publicadas


Imago Mundi, 14






Joaquim de Fiore, Os sete selos. De septem sigillis, tradução, introdução e notas Alfredo Gatto, (Col. Imago Mundi, 14), Ed. Afrontamento, Porto 2015. 126 pp.  [Ficha editorial].








Joaquim de Fiore (1135-1202) é uma das figuras mais enigmáticas e influentes de toda a tradição medieval. O abade calabrês é sem dúvida o mais importante pensador apocalítico depois de João, Evangelista, e a sua obra e reflexão constituem um caso único na história da filosofia. Em virtude da radicalidade da sua exegese apocalítica, Joaquim deu vida a um novo imaginário, ao esboçar uma nova abordagem na leitura, histórica e dinâmica, dos textos sagrados. Entre as suas obras, incluem-se a Concordia Novi ac Veteris Testamenti, a Expositio in Apocalypsim e o Tractatus super quatuor Evangelia. O texto aqui apresentado, uma das últimas obras redigidas pelo abade, representa um excelente exemplo do método joaquimita e da historicidade da sua hermenêutica e fornece ao leitor um útil instrumento para começar a explorar a reflexão apocalítica de Joaquim de Fiore.


Alfredo Gatto é doutor em Filosofia (Ph.D) pela Universidade San Raffaele de Milão e realizou o pós-doutoramento no Instituto Católico de Toulouse. Atualmente desenvolve as suas atividades de investigação na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP). É autor de René Descartes e il teatro della modernità, Inschibboleth, Roma 2015 e de Pier Damiani. Una teologia dell'onnipotenza, Aracne, Roma 2013.

Andrea Tagliapietra é professor catedrático na Università Vita-Salute San Raffaele de Milão, onde ensina História da Filosofia Moderna e Contemporânea, História das Ideias e Hermenêutica Filosófica. Autor de Gioacchino da Fiore e la filosofia, Il Prato, Pádua 2013, realizou a edição italiana do Enchiridion super Apocalipsim de Joaquim de Fiore (Sull'apocalisse, Feltrinelli, Milano 2008).



Índice









Breve cronologia da vida e obras de Joaquim de Fiore


1135 ca. - Joaquim nasce em Celico, uma pequena cidade da Calábria.

1155 ca. - Após os seus estudos em Cosenza, é notário na corte da Calábria.

1166-1167 - Trabalha para Stefano di Perce na Chancelaria de Palermo.

1168 - Visita Jerusalém.

1170-1177 - Retorna à Calábria e passa um período de tempo no mosteiro cisterciense de Sambucina; assume o hábito monástico e mais tarde é eleito abade de Corazzo. Neste mesmo período, escreve pelo menos a primeira parte da Genealogia.

1177 - Tenta afiliar, sem sucesso, a sua abadia ao mosteiro de Sambucinada ordem cisterciense.

1182-1183 - Passa um período de tempo na abadia cisterciense de Casamari; aqui começa a composição das suas obras mais importantes - o Psalterium decem cordarum, a Concordia Novi ac Veteris Testamenti e o Expositio in Apocalypsim.

1184 - Interpreta em Veroli, na presença do Papa Lúcio III, uma profecia encontrada entre os documentos do Cardeal Matteo d'Angers. O encontro com o Papa é descrito no De prophetia ignota, composto no mesmo ano.

1184-1188 - Escreve os Dialogi de prescentia Dei et predestinatione electorum, os De articulis fidei, a Confessio fidei e o Tractatus in expositionem Vite et Regule beati Benedicti; visita o Papa Urbano III em Verona e volta para a Calábria, em Petralata.

1188 - O Papa Clemente III liberta-o das suas funções de abade e convida-o a concluir os seus trabalhos; regressa para Pietralata e, com a ajuda de Raniero da Ponza, constrói perto do rio Arvo uma nova estrutura para acomodar os novos devotos chamada Fiore.

1189-1191 - Começa a viver em Fiore; a nova ermida é ameaçada pelos dignitários normandos do rei Tancredi; vai então para a Sicília e convence o rei a apoiar a nova comunidade; encontra também em Messina o rei Ricardo I de Inglaterra e o rei Filipe II de França e comenta uma passagem do Apocalipse; dedica-se ao livro de João em muitos dos seus textos: a Praephatio super Apocalypsim, o Enchiridion super Apocalypsim e o De septem Sigillis; encontra também em Nápoles Henrique IV e convence-o a retirar-se e a terminar o cerco à cidade.

1194 - Encontra novamente Henrique e o Imperador concede-lhe o Tenimentum Floris.

1196 - O Papa Celestino III aprova oficialmente a nova Ordo Florensis; a pequena ermida fundada por Joaquim é agora reconhecida pela Igreja e apoiada pelo Imperador.

1198 - Viaja para a Sicília para apoiar a quarta Cruzada organizada pelo novo Papa Inocêncio III.

1200 - Após ter terminado as obras iniciadas em Casamari, escreve uma carta-testamento.

1200-1202 - Dedica-se à escrita da sua última obra, o Tractatus super quatuor Evangelia.

1202 - Morre em San Martino de Canale, no dia 30 de março.









A publicação deste volume contou com o apoio do Projeto estratégio do Instituto de Filosofia (Ref.ª PEst-C/FIL/UI0502/2011), financiado por Fundos FEDER através do Programa Operacional Factores de Competitividade - COMPETE (Ref.ª FCOMP-01-0124-FEDER- 022671) e por Fundos Nacionais, através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.


© 2021 Instituto de Filosofia da FLUP. Página actualizada a 13-08-2021
Desenvolvido por