Username: Senha:  Ok
http://193.137.34.200/proj/imago_mundi/pedro_abelardo
© 2021 Instituto de Filosofia da FLUP
Página actualizada a 13-08-2021
Página impressa a 27-10-2021

Pedro Abelardo

Obras Publicadas


Imago Mundi, 9





Pedro Abelardo, Conhece-te a ti mesmo, introdução Vera Rodrigues, tradução e notas Filipe Gonçalves, revisão Manuel Ramos e Vera Rodrigues, col. Imago Mundi, vol. 9, Afrontamento, Porto 2013. ISBN 978-972-36-1352-0. [ficha técnica]







Abelardo (c. 1079 - 21 de abril de 1142), genial e provocador, foi o mais brilhante filósofo e teólogo do século XII, século de descoberta e renascimento. Poeta e trovador, mestre que atrai alunos de toda a parte, amante da bela e erudita Heloísa. Esta vida itinerante e aventurosa é-nos parcialmente conhecida pela carta a um amigo em que se queixa de infortúnios sucessivos, texto que inaugura a autobiografia. Émulo de Aristóteles, como a si mesmo se apresenta, foi como mestre de lógica que mais se ilustrou, defendendo um não-realismo acerca dos universais, pelo que é considerado precursor do nominalismo. A Ética ou Conhece-te a ti mesmo, concluída por volta de 1138, recupera a herança antiga e socrática para o interior da moral e da teologia cristãs, distingue-se pela exigência de racionalidade e fundamentação filosófica. Para Abelardo, nem as inclinações naturais nem qualquer ato são, em si, pecaminosos: apenas o consentimento e a intenção do agente atestam do valor moral de uma ação. Esta e outras teses teológicas constaram da lista de heresias que, no Concílio de Sens em 1141, levarão à sua excomunhão e à condenação das suas obras.


Filipe das Neves Gonçalves é Mestre em Filosofia Medieval pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com uma dissertação onde estudou e traduziu a Ética ou Conhece-te a ti mesmo de Abelardo. 

Manuel Francisco Ramos é Professor Auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Docente de Latim, é autor de traduções e estudos sobre autores clássicos, medievais e renascentistas, nomeadamente sobre as Orationes de Jean Jouffroy em favor do infante D. Pedro.

Vera Rodrigues, investigadora no Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, licenciou-se nesta faculdade e prosseguiu estudos em Roma, Londres e Paris, onde concluiu o doutoramento na École pratique des hautes études (Paris IV - Sorbonne), com uma tese sobre Teodorico de Chartres (séc. XII). Publicou trabalhos sobre filosofia natural, ontologia, lógica medievais e as diversas modalidades da sua articulação.



Índice











Breve cronologia da vida e obra de Pedro Abelardo


1079 - Nasce em Le Pallet, Bretanha, França.

1092 - Condenação de Roscelino por heresia em Soissons.

1093-1099 - Frequenta escolas em Tours e Loches, onde se torna discípulo de Roscelino.

c. 1101 - Discípulo de Guilherme de Champeaux, em Paris.

1102-1105 - Abre escola em Melun. Depois em Corbeil (1104), ensina lógica com grande sucesso. Primeiras obras lógicas: Introductiones parvulorum e glosas literais à Isagoge de Porfírio, De interpretatione, De divisione e Categorias de Boécio.

1105/8 - Doente, retira-se para a Bretanha.

1108 - Regresso a Paris, onde frequenta de novo a escola de Guilherme de Champeaux, em S. Victor, para aprender retórica; discussões sobre os universais.

1109-1112 - Regresso ao ensino, em Melun. Logo a seguir em Paris onde funda escola no monte de Santa Genoveva.

1113 - Frequenta lições de Teologia de Anselmo de Laon. Escreve o Comentário sobre Ezequiel (perdido). Guilherme de Champeaux torna-se bispo de Châlons.

1114-1017 - Ensina teologia, filosofia e lógica na escola catedralde Notre-Dame de Paris. Heloísa, sobrinha do cónego Fulberto, como aluna.

1114/16 - Início do romance com Heloísa.

1117 - Nascimento do filho Astrolábio. Casamento com Heloísa em segredo. Escreve a Logica ingredientibus e inicia (?) a Dialectica.

1117 - Abelardo é emasculado, por ordem do tio de Heloísa. Morte de Anselmo de Laon.

1118 - Abelardo e Heloísa fazem votos monacais. Monge na abadiade Saint-Dinis (onde provavelmente termina a Dialectica).

1120-1121 - Completa a Theologia «summi boni», depois condenada (sem debate e sem possibilidade de defesa) no Concílio de Soissons (1121), obra depois transformada em Theologia christiana.

1122-1124 - Funda o oratório do Paráclito. Compõe o De intellectibus.Inicia o Sic et non e a Theologia christiana.

1125-1127/28 - Abade de Sainte-Gildas (Vannes, Bretanha), cujos monges tentam assassiná-lo. Retira-se do ensino público. Heloísa Abadessa do Paráclito. Escreve a História das minhas calamidades; termina a Logica «nostrorum».

1125-1128 - Termina a Logica «nostrorum», o Sic et non, a Theologia christiana (1125-1126). Inicia (?) o Diálogo. Solilóquio (1126-1128).

1131 - Termina o Diálogo.

c. 1133-1140 - Retoma o ensino em Paris, em Santa Genoveva (até 1140/41), onde tem como discípulos Arnaldo de Brescia e João de Salisbúria. Retoma a correspondência com Heloísa (1134), a cujas questões responde (Problemata) e para cuja comunidade religiosa escreve uma Regula, Sermones, Himnarius, Planctus, Hexaemeron (1134-36). Termina a Theologia scholarium. Hostilidade de Guilherme de S. Teodorico e Bernardo de Claraval.

c. 1138 - Termina o Conhece-te a ti mesmo. Em 1139 Bernardo escreve contra Abelardo.

1140-1141 - Responde a Bernardo com a Apologia contra Bernardum.Concílio de Sens condena ao fogo obras de Abelardo, que apela ao papa.

1141-1142 - Em viagem (1141) para Roma, Pedro o Venerável convence-o a ficar em Cluny. Escreve o Carmen ad Astralabium.

1142 - Morre a 21 de Abril, em Cluny.

1162 - Morte de Heloísa







A publicação deste volume contou com o apoio do Projeto estratégio do Instituto de Filosofia (Ref.ª PEst-C/FIL/UI0502/2011), financiado por Fundos FEDER através do Programa Operacional Factores de Competitividade - COMPETE (Ref.ª FCOMP-01-0124-FEDER- 022671) e por Fundos Nacionais, através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.


© 2021 Instituto de Filosofia da FLUP. Página actualizada a 13-08-2021
Desenvolvido por